Bendito o Rei que vem! (¡Bendito el Rey que Viene!)

HistóriaLetraInformaçõesRecursos e Partituras

Bendito o Rei que vem! (¡Bendito el Rey que Viene!)

Letra: Federico Pagura (1923-2015), 1960
Tradução: Hope Gordon Silva, 1974
Música: Homero Perera (1939-2019), 1960

Sobre os autores:

Federico Pagura, pastor metodista nascido em Rosário, foi ordenado ao ministério em 1950, escreveu vários tangos, entre eles o mais reconhecido “Temos Esperança” com música de Homero Perera.

Enquanto isso, Homero Perera é nascido em Montevidéu, Uruguai, onde estudou piano com Hugo Balzo no Conservatório Nacional. Ele estudou órgão em Buenos Aires com Pablo Sosa e Hector Zeoli e também estudou composição musical na Faculdade de Belas Artes da Universidade de La Plata, nas aulas de Guillermo Graetzer e Virtú Marano. De sua pena surgiram composições evangélicas inspiradoras, como o já mencionado “Temos Esperança”, o  “Tango Alegría”, “A Missa em Jazz” e a “Cantata de Ressurreição”.  O foco de sua atividade artística e educacional teve como objetivo difundir os valores da música rioplatense, especialmente o tango, como um produto por excelência da cultura da região.

Hope Gordon Silva Formou-se na Faculdade Wellesley, no Estado de Massachusetts, EUA, fez complementação pedagógica em Mogi das Cruzes, SP, e mestrado na PUC de São Paulo. Professora, autora e tradutora, publicou várias coletâneas. Algumas das suas produções foram publicadas também na série “Os Céus Proclamam”, nos periódicos “Louvor Perene” e “O Evangelista”.

A origem do Hino

(! Bendito el Rey que Viene!)

Em 1960, Homero entra na Comissão revisora do hino e Federico Pagura teve a poesia hino sem música.  A criação de Homero é claramente diferenciadas da tradição hinódica. Ele explica: O que eu tentei foi harmonizar a peça com uma harmonia não tão definidamente tonal: Tônica, dominante, tônica como os estilo dos hinos Castelo Forte ou Alma Bendice. Eu queria dar a sensação de movimento que teria esse pequeno grupo de discípulos com Jesus entrando em Jerusalém.

Homero conseguiu expressar plenamente essa tensão do Rei que está chegando e que ainda não é manifestada plenamente. A melodia é muito bonita, quase eu diria hipnótica. Em 1985 eu fiz um arranjo para órgão, onde as harmonias imitam o passo cansado e firme do jumentinho que leva a Jesus e os enfeites da melodia, as saudações, aplausos e honrarias dadas ao Rei que vem humilde em nossas vidas. Foi gravado em 1987, no templo da Igreja Metodista Central em Buenos Aires, pelo coro da igreja dirigida por Rodolfo van der Meulen.

O hino “Bendito o Rei que vem” é um dos primeiros hinos inteiramente Rioplatenses. Tanto o texto como a sua música pertencem a autores contemporâneos nativos de Argentina e Uruguai, respectivamente.

Ele foi escrito especialmente para o hinário Cântico Novo, publicado em 1962, como resultado de um trabalho de compilação e revisão que durou 8 anos e estava no comando de uma Comissão integrada por músicos, poetas e pastores das igrejas Metodista, Menonita, Discípulos de Cristo e Valdense.

No prefácio do hinário a Comissão diz: “Esta tarefa teve no princípio o caráter de uma revisão do Hinário Evangélico editado em 1943, mas o reconhecimento da vastidão da hinódia cristã se tornou evidente na comissão logo após o início do trabalho, juntamente com o novo aprofundamento do conceito da Igreja e do culto que teve entre nós nos últimos anos, exigiu a extensão dos limites de trabalho”.

Em outro parágrafo, lemos: “Como é de se imaginar, muitas das decisões da Comissão não foram tomadas, senão depois de muito tempo de discussão e estudo, mas em todos os casos, o que prevaleceu na resolução final hoje foi exclusivamente as considerações de caráter doutrinária, poética ou musical, mas acima de tudo o bem das congregações, cujos membros têm estado constantemente nas mentes e nos corações daqueles que têm trabalhado e orado durante a tarefa … ”

Apesar das previsões da Comissão, muitas das congregações criticaram fortemente este novo hinário já que na verdade era essencialmente muito diferente do hinário de 1943.

O mais impressionante e sensível foi que na maioria dos hinos que falam da experiência pessoal, como “Fala Senhor a minha alma” ou “Como posso estar triste” foram removidos. Em resumo Cântico Novo tem menos “eu e meu” e “nós e nosso”. Menos subjetividade emocional e mais objetividade doutrinária.

A Resistência a essas mudanças acabaram forçando a adição de um suplemento com textos de vários desses “Hinos de experiência” que tinham sido extraídos.

Em contraste com a remoção, foram adicionados vários novos hinos para as congregações, a este respeito a Comissão afirma no prefácio: “Ele também inclui alguns hinos originais, embora não tantos como queríamos”, mais adiante exorta para “acordar em muitos o desejo de colocar seus talentos para servir ao Senhor e sua causa e incentivá-los a se esforçar para produzir expressões artísticas da fé religiosa que estejam na altura do o que os nossos países têm alcançado na esfera secular “.

Uma nova era

Este apelo se demonstraria fecundo, mas em outro ambiente. Estava se formando um novo movimento musical, poético e, especialmente, teológico que geraria uma expressão radicalmente diferente e que iria gerar uma grande e inevitável conflito nas Igrejas. Musicalmente foi a incorporação de ritmos folclóricos e ritmos acordes com a revolução dos anos 60. Teologicamente, uma insistência sobre os problemas e o compromisso social. A Criatividade deveria romper com a tradição e os novos tempos sociais e políticos faziam do hinário uma forma esgotada em ambas dimensões. Era o tempo da “canção “.

Três Hinos Rioplatenses

Que eu lembre são três, os hinos inteiramente rioplatenses incluídos nesta edição: “Bendito o Rei que vem”, “Olhai para o céus” com texto do uruguaio Juan Burghi e música de Roberto I. Leegstra e o grande hino de ressurreição “Cristo Vive” de Nicolas Martinez e Pablo Sosa. Nos três já se observa uma ruptura com o hino tradicional, uma renovação melódica, harmônica e poética.

Encontramos este hino traduzido para o português por Hope Gordon Silva, e publicado no periódico interdenominacional “Louvor Perene”.

Eduardo Ernesto Cavallo
Tradução e Revisão: Emanuel Mammana & Magnus Carlos

© 2012 de Eduardo Ernesto Cavallo  / © 2017 da tradução de Emanuel Mammana & Magnus Carlos– Usado com permissão

Bendito o Rei que vem! (¡Bendito el Rey que Viene!)

Letra: Federico Pagura (1923-2015), 1960
Tradução: Hope Gordon Silva, 1974
Música: Homero Perera (1939-2019), 1960

Estribilho
Bendito o Rei que vem no nome do Senhor!

1. Abri, abri as portas
Do duro coração!
Não chega revestido
De pompas e esplendor,
Mas simples, como servo,
Estende-nos a mão.

2. Atentos, dai-lhe ouvidos,
Fazendo o seu mandar.
Pois ai dos orgulhosos,
Não sentem seu amor.
Humildes, recebamos
A quem nos vem salvar.

3. Que mostra a quem o aceita
A face do bom Deus.
A ele foram dados
A glória e o poder
Que no final dos tempos
Os povos hão de ver.

4. Que quer dar aos cansados
Descanso e todo o bem!
O Rei é manso e humilde,
Serví-lo com louvor
É o jugo que nos leva
À liberdade além.

Bendito o Rei que vem! (¡Bendito el Rey que Viene!)

Letra: Federico Pagura (1923-2015)

Tradução: Hope Gordon Silva (1926)

Música: Homero Perera (1939)

Métrica: 7.6.7.6.D.

Data da composição: 1960

Data da tradução: 1974

Nome da Melodia: LIL

Título original: “!Bendito el Rey que Viene!)”

Primeira linha da primeira estrofe: 1. Abri, abri as portas

Primeira linha do estribilho: Bendito o Rei que vem no nome do Senhor!

Fonte original: Hinario Cantico Nuevo, 1962

Referência Bíblica: João 12.13

Arranjadores: Homero Perera, 1960

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Cleide Manoel Gossi disse:

    Já conhecia este hino, mas como é bom saber sua autoria e conhecer a história. Valeu, parabéns! E assim vamos aprendendo cada dia mais e mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *