Dai ao Senhor, Louvor (Tollite Hostias)

HistóriaLetraInformaçõesRecursos e Partituras

Dai ao Senhor, Louvor- (TolliteHostias)

Letra: Camille Saint-Saëns (1835-1921), 1858 inspirado pelos Salmos 95 e 150.
Tradução:
J. Costa, 1969
Música: Camille Saint-Saëns (1835-1921), 1858

Este hino, que tem como origem o movimento Tollite hostias do Oratório de Natal de Saint-Saëns, é um chamado à alegria e adoração a Deus que ecoam em Aleluias! A convocação demonstra devoção e intimidade da humanidade que louva a Deus em seu Templo e culmina com a adoração prestada por todo o Universo que celebra a vinda do Senhor.

Camille Saint-Saëns (1835-1921), foi um maestro, compositor, pianista e organista francês do Romantismo. Considerado uma criança prodígio, antes dos 3 anos de idade já demonstrava interesse pela música e perfeita afinação; aos 7 anos, já escrevia pequenas peças e aos 10, apresentou seu primeiro concerto público. Aos 13 anos, iniciou seus estudos no Paris Conservatoire, a mais importante academia de música da França e onde foi encorajado a estudar órgão. Como organista, ganhou o prêmio máximo do Conservatório, se tornou o principal organista das Igrejas Saint-Merri e La Madeleine (esta última, a igreja oficial do Império) e foi considerado “o melhor organista do mundo” pelo seu amigo Franz Liszt.

Saint-Saëns explorou com sucesso todos os gêneros musicais e deixou uma vasta obra: sinfonias e outras obras orquestrais, concertos para violoncelo, piano e violino, óperas, composições vocais, peças para órgão, dentre outras. Ele mesmo confessou: “Sou eclético”.[1]Além do grande conhecimento musical, possuía uma vasta cultura em filosofia, ciência e literatura. Viajou pelo mundo inteiro, vindo, inclusive, ao Brasil onde se apresentou em São Paulo (1899) e no Rio de Janeiro (1904). [2]

Com apenas 23 anos de idade, Saint-Säens escreveu seu oratório de Natal: Oratório de Noël, Op. 12.A obra foi escrita em menos de 15 dias e estreou no Natal de 1858. A peça tem duração de aproximadamente 40 minutos e conta com cinco solistas vocais (soprano, mezzo-soprano, contralto, tenor e barítono), coro misto, órgão, harpa e quarteto de cordas. Para o texto, Saint-Saëns escolheu vários versículos da Bíblia Vulgata Latina (narrativa do nascimento de Jesus a partir do Evangelho de Lucas e outros textos de João, Isaías, Lamentações e Salmos) e porções de ofícios natalinos. O movimento final da peça, Tollite hostias, que deu origem ao hino “Dai ao Senhor louvor”, é o mais conhecido e segue o modelo de antigas canções de Natal francesas. [3]

O tradutor deste hino é J. Costa, pseudônimo usado pelo pastor e músico brasileiro João Wilson Faustini (J de João e C de Costa, porque a esposa era Costa). [4]Nascido em 1931, Faustini é organista, maestro, compositor, regente, tradutor, arranjador, cantor, professor e pastor presbiteriano. Seu interesse pela música começou ainda na infância; aos dez anos já era organista da Igreja Presbiteriana de Pirajuí, SP e, aos 13 anos, sentiu-se chamado para o ministério da Música Sacra. Em 1951, Faustini recebeu uma bolsa de estudos no Westminster Choir College, em Princeton, Nova Jersey (EUA), onde fez o bacharelado em Música. O mestrado em Música Sacra foi cursado no Union Theological Seminary, em Nova Iorque. [5]

Faustini contribuiu grandemente para o repertório evangélico brasileiro lançando diversas gravações de qualidade e publicando coletâneas e hinários em português. Seus hinos e traduções constam em diversos hinários evangélicos e são cantados por coros e congregações de várias denominações evangélicas do Brasil. “Os céus proclamam, Volume I”, foi a coletânea em que Faustini publicou, em 1969, a tradução de “Dai ao Senhor louvor”.

Devido à grande popularidade deste hino, há muitos arranjos e versões para orquestras e canto coral. Em 2016, entretanto, o regente, compositor e arranjador Marcio Roberto Lisboa, fez uma adaptação para o canto congregacional. [6]

Joaquim Junior

Notas:

[1] CARPEAUX, Otto Maria. O livro de ouro da história da música: da Idade Média ao século XX. Rio de Janeiro: Ediouro, 2009.

[2]MARTINS, José Eduardo. Saint-Saëns: um encontro decisivo. In: Henrique Oswald – Músico de uma Saga Romântica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

[3] CORO RESONARE, Oratório de Natal-C. Saint-Saenz. Disponível em: <http://cororesonare.blogspot.com.br/p/oratorio-de-natal-de-camille-saint-saenz.html>. Acesso em: 20 de julho de 2016.

[4]SANTOS JUNIOR, Robson José dos. “Músico”, Pseudônimo “Poeta”. Disponível em: <http://www.hinologia.org/deus-dos-antigos>. Acesso em: 20 de julho de 2016.

[5]MULHOLLAND, Edith Brock (Comp.). HCC – Notas Históricas:Se os Hinos Contassem. Rio de Janeiro: JUERP, 2001, p. 27-28.

[6] LISBOA, Marcio Roberto. Dai ao Senhor louvor (versão congregacional). Disponível em: <www.hinologia.org/dai-ao-senhor-louvor>. Acesso em: 20 de julho de 2016.

Dai ao Senhor, Louvor (Tollite Hostias)

Letra: Camille Saint-Saëns (1835-1921), 1858 inspirado pelos Salmos 95 e 150.
Tradução:
J. Costa, 1969
Música: Camille Saint-Saëns (1835-1921), 1858

Dai ao Senhor louvor,
Vinde adorá-lo;

E o seu nome celebrai
No seu templo.

Céus, alegrai-vos, alegre-se a terra
Para saudar o Senhor que no mundo vem,
Aleluia.

Aleluia 10x

Céus, alegrai-vos…

Dai ao Senhor, Louvor (Tollite Hostias)

Letra: Camille Saint Saëns (1835-1921) inspirado pelos Salmos 95 e 150.

Tradução: J. Costa (1931)

Música: Camille Saint Saëns (1835-1921)

Métrica: Irregular

Data da composição: 1858

Data da tradução: 1969

Título original: “Tollite Hostias”

Título original em Português: Dai ao Senhor, Louvor

Nome da melodia: TOLLITE HOSTIAS

Primeira linha da primeira estrofe: Dai ao Senhor, Louvor

Fonte original: Oratorio de Noël, Op. 12.

Fonte original em Português: Os céus proclamam, vol. 1 – 1969, 4.ª edição

Álbuns:

  • CD Louvai ao Senhor – Grande Coral Evangélico – Regência Dorotéa Kerr, 2001. (Faixa 02)

Referências Bíblicas: Salmos 150.2

Áudio: CD Louvai ao Senhor – Grande Coral Evangélico – Regência Dorotéa Kerr, 2001. (Faixa 02) – Usado com permissão

Nota do Editor: Neste site divulgamos hinos estróficos e cânticos litúrgicos, porém abrimos exceções para algumas peças corais que também podem ser usadas na liturgia. Devido à grande popularidade deste hino, há muitos arranjos e versões para orquestras e canto coral. O Colaborador Marcio Lisboa criou uma versão congregacional.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Renato Gonçalves disse:

    Cantei e toquei muito em coro na igreja. Traz tantas recordações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *