Adeus à Pablo Sosa – Trad. Sergio Marcus Pinto Lopes

Neste sábado, 11 de janeiro, aos 85 anos, faleceu o professor de música, liturgista, professor e pastor Pablo Sosa.

Foi autor de inúmeras canções do repertório protestante latino-americano e um dos autores do hinário “Canto e Fé de América Latina”, editado pela Igreja Evangélica do Rio da Prata (IERP) em 2005 e muito difundido no mundo evangélico de língua espanhola.

Sosa foi um dos primeiros latino-americanos a estudar nos Estados Unidos e depois na Alemanha na área de liturgia e música.

Deixa um legado muito rico, que permanecerá presente em quase todas as celebrações da região.

Nascido em 16 de dezembro de 1933, estudou teologia no Instituto Superior Evangélico de Estudos Teológicos – ISEDET e música eclesiástica no Westminster Choir College, Princeton, EUA; no Hochschule für Musik, Berlim, Alemanha; e na Escola de Música Sacra do Union Seminary, em Nova York.

Era pastor da Igreja Evangélica Metodista Argentina (IEMA) e é reconhecido em todo o mundo por seu trabalho como compositor, professor, diretor de coral, músico e promotor de hinos eclesiásticos regionais em todo o mundo.

Foi professor de Liturgia e Hinologia no ISEDET, onde fundou a Escola de Música em 1962 e, a partir de 1976, ingressou na equipe de produção criativa do Departamento de Comunicações do mesmo instituto. Em 1972, organizou o Conjunto Música para Todos, que dirigiu até 2003.

Simultaneamente era foi professor de direção coral no Conservatório Nacional de Música Carlos López Buchardo, em Buenos Aires, por 30 anos.

No campo da hinologia, Sosa participou da edição de vários hinários e cancioneiros, entre os quais Cántico Nuevo (1962), el Cancionero Abierto (1974) e Canto y Fe de América Latina (2005) em colaboração com a organista e diretora Inke Frosch, da Igreja Evangélica do Rio de la Plata (IERP).

Como compositor, na maioria de suas canções Sosa incursiona pela linguagem musical latino-americana. Entre as mais conhecidas estão El cielo canta alegría (1958), Cristo vive (1960), Si fui motivo de dolor (1960), Miren qué bueno (1970), Gloria (1978), La bendición del Dios de Sara (1988), Este momento en punto (1990) e, mais recentemente, Que esta Igreja seja uma árvore, divulgada mundialmente na Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas em Busan, Coréia, 2013.

Seus hinos foram traduzidos para vários idiomas (inglês, alemão, português, sueco, finlandês, chinês e japonês) e incluídos em hinários e cancioneiros por todo o mundo. Sosa promoveu incansavelmente a inclusão de hinos regionais nas igrejas de todo o mundo. Nesse sentido, sua contribuição ao cancioneiro da Sexta Assembléia do Conselho Mundial de Igrejas, Vancouver, 1983, em que ele também foi um dos animadores litúrgico-musicais, foi muito importante.

A vida do professor e pastor Pablo Sosa foi moldada pela música tal como o definiram na The Hymn Society em uma homenagem que lhe prestaram em 2018: “o ato de cantar em conjunto molda a fé, alivia o quebrantamento, transforma vidas e renova a paz. Nossa missão, portanto, é estimular, promover e incentivar o canto congregacional.” + (PE / IERP Comunica)

Nota: Notícias preparadas com informações extraídas do site da Igreja Evangélica Metodista da Argentina (IEMA).

 Trad. Sérgio Marcus Pinto Lopes

© 2020 de Sérgio Marcus Pinto Lopes – Usado com permissão

Fonte original: http://ierp.org.ar/adios-al-gardel-de-la-musica-protestante-fallecio-pablo-sosa/

 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Onesqucível pastor, professor, compositor , amigo e psrceiro de música!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *