A contribuição feminina à hinodia evangélica – (II) – Roberto Torres Hollanda

A contribuição feminina à hinodia evangélica – II
(Especial para “Hinologia Cristã”)

No artigo anterior (no. 109) comentamos a contribuição de Charlotte Elliot, Sarah Flower Adams, Lydia Baxter, Elvina Mabel Hall, Julia Ward Howe, Fanny Jane Crosby, Sarah Poulton Kalley, Priscilla Jane Owens, Elizabeth Cecilia Clephane e Frances Ridley Havergal. Nessa oportunidade, citamos um panfleto de1690 que fazia ressalvas à participação de mulheres no canto congregacional.

O apóstolo Paulo, em sua primeira epístola aos Coríntios, escreveu: “as mulheres estejam caladas nas igrejas, porque lhes não é permitido falar” (cap.14, verso 34). Alguns estudiosos entendem que não se trata de emancipação das mulheres, mas apenas de um costume observado em  algumas igrejas locais (ver: Koester, Helmut. Introdução ao Novo Testamento, volume 2. São Paulo: Editora Paulus, 2005).

Fanny Crosby (1820-1915) em seu hino “Redeemed” (3ª.estrofe, TBH, no. 531), escreveu, propositalmente: “Canto porque não posso ficar calada” (ver: Hobbs, June Hadden. The Feminization of American Hymnody, 1870-1920. University of Pittsburgh Press, 1997).

A hinodia tornou-se, no século 19, propriedade cultural de mulheres cristãs nos EUA e na Inglaterra.

A americana Mary Artemisia Lathbury (1841-1913) colaborava com publicações para jovens e crianças nas escolas bíblicas dominicais metodistas. Escreveu hinos curtos (CC, nos. 4 e 137, e HCC, no. 216).

A inglesa Louisa Stead (1850-1917) numa reunião de acampamento evangelístico revelou o propósito de ser missionária. Ainda jovem foi para a África do Sul, onde serviu durante 15 anos e escreveu a letra do hino “Que alegria é crer em Cristo” (“Cantor Cristão”, no. 406; “Hinário para o Culto Cristão”, no. 318).

A presbiteriana americana Eliza Hewitt (1851-1920) foi professora em escola bíblica dominical e num abrigo para crianças abandonadas. Escreveu poesias para os hinos nos. 129, 169, 441 e 507 do CC e nos. 155, 336, 364 e 583 do HCC.

A metodista americana Lelia Naylor Morris (1862-1929) e seu marido eram ativos nas reuniões dos acampamentos evangelísticos; Lelia escreveu “gospel songs” e mais de mil hinos, entre os quais os de nos. 114 e 442 (HCC), 190, 226 e 474 (CC).

A professora batista Adelaide Pollard  (1862-1934) trabalhou em escolas para mulheres jovens. Escreveu os hinos nos. 369 e 472 (HCC) e no. 175 (CC), o conhecido e apreciado “Cristo, bom Mestre, eis meu querer”.

A americana Civilla Durfee Martin (1866-1948) com ajuda de seu marido, pastor Walter Stillman Martin, escreveu algumas “gospel songs” (canções evangelísticas), entre as quais a apreciadíssima letra “God will take care of you” (Deus cuidará de ti, no. 344-CC e no. 33-HCC).

A missionária presbiteriana Ruth See (1873-1960) trabalhou no Brasil (1900-1947); exerceu sua vocação no Instituto Evangélico “Gammon”, em Lavras, MG, e em outras cidades mineiras. Em 1941 traduziu o hino inglês “Proclamaram anjos mil o primeiro Natal”, HCC-100.

A organista e pianista americana, pertencente à Igreja Metodista, Lida Shivers Leech (1873-1962), escreveu cerca de 500 “gospel songs” e o hino “Bring ye all the tithes” (Oh, trazei à casa do tesouro”) em  1923, que foi traduzido pela missionária batista americana Joan Larie Sutton.

Alyna Guynes Muirhead (1885-1957) traduziu em 1956 o hino “Wonderful Grace” (Maravilhosa graça!) para sua coletânea “Antemas celestes”, aproveitado em 1990 no HCC (no. 193). Alyna bacharelou-se na Baylor University (Waco, Texas, USA) e chegou ao Brasil em 1907.

A poetisa Stela Câmara Dubois (1905-1987) foi uma das mais ilustres representantes do sexo feminino na história batista do Brasil. Traduziu em 1964 o hino “Satisfied with Jesus” (Cristo satisfaz minha alma), que prontamente foi incluído no hinário da Campanha Nacional de Evangelização (1965) da Convenção Batista Brasileira; em 1990, no HCC (no. 452).

A presbiteriana Lydia Bueno (1916-?) fez parte em 1990 da equipe de tradutoras para vários hinos do HCC, entre eles “Tu És fiel, Senhor” (HCC-25).

Hope Gordon Silva (1926), também participou dessa equipe de tradutoras, traduzindo três estrofes do hino “Sê minha vida, ó Deus de poder” para o HCC no. 363.

A missionária batista Jerry Catron Ichter (1930-    ), esposa do compositor Bill Ichter, traduziu em 1974, com Joan Larie Sutton, o hino de John Willard Peterson (1921-2006), “Meu bom Pastor”,  entre outros da cantata “Maior amor”.

A missionária-musicista Joan Sutton foi a coordenadora da Comissão Especial para o HCC.

Seu trabalho no Brasil foi tão intenso que não pode ser resumido em tão pequeno espaço como este. Recomendo que o prezado leitor procure nos “sites” dedicados à música sacra informações sobre esta prolífica letrista de hinos, bem como seu imenso patrimônio musical.

Brasília, DF, em 10 de outubro de 2021.

Roberto Torres Hollanda         

Doc.HC-117

Nota do Editor:

Joan Larie Sutton, Lydia Cassano Bueno e Hope Gordon Silva traduziram o hino “Tu és fiel, Senhor”, HCC n.º 25

© 2021 de Roberto Torres Hollanda – Usado com permissão

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *