Tom de passagem – Ivo Seitz

William Harold Ichter, ou, Bill Ichter, nasceu em 11 de dezembro de 1925, em Nanticoke, Pennsylvania.

Bill H. Ichter

Serviu no Exército Americano como Infante (apesar de seu pai ser oficial da Artilharia), no período da Segunda Guerra Mundial. Durante este tempo conheceu a Europa. Saindo da vida militar, trabalhou como assistente do pastor e diretor de música na Igreja Emanuel, em Alexandria, Louisiana, em 1948 e 1949. Neste ano obteve o grau de Bacharel em Artes. Prosseguiu como ministro de música em Baton Rouge (Louisiana) até 1952, quando passou a cooperar com a Primeira Igreja Batista de Amite, no mesmo Estado. Em 2 de setembro de 1956 foi ordenado ao Ministério da Palavra; já havia conquistado o grau de Mestre em Música pelo Seminário Teológico Batista de New Orleans (1955), e agora se apresentava para o trabalho missionário no exterior. Sabia que Deus o queria no campo da música, o que fez a Junta de Richmond defrontar-se com uma situação nova.

Estudou a nossa língua em Campinas, SP, fazendo paralelamente três cursos de extensão universitária versando sobre a arte, em especial, a música.

Sua vinda ao Rio permitiu a organização do Departamento de Música da JUERP, do qual é Diretor. Em todo o Brasil se podem sentir as contribuições que ele deu ao campo da música sacra, através de institutos de música, publicações musicais, livros especializados, e mesmo pela música “Campanha” (581 do Cantor Cristão), usada aqui e nas Américas quando das Campanhas evangelísticas. Cooperou com as Igrejas de Itacuruçá (até 1962) e Primeira de Copacabana (até hoje), na Guanabara.

Ama profundamente o Brasil, dizendo-se gaúcho. “Americano de nascimento, brasileiro de coração, sente ele os problemas nacionais como se filho fosse destas plagas. Sua acuidade no que concerne às sutilezas da nossa prosódia musical, tantas vezes evidenciada ao ensejo de nossas trocas de ideias sobre o assunto, é surpreendente” (Henriqueta R. F. Braga).

Sua esposa, Jerry Catron Ichter, nasceu em Louisiana, onde fez seus estudos. Seu ministério é vasto, começando no lar, abrangendo ainda aulas e o trabalho da igreja. Casaram-se em 2 de junho de 1949, e seus filhos, Alana Sue, Alan Dale, Nelson Lee e Carlos Leslyn, desfrutam o privilégio de um lar cristão sadio. Alana forma-se este ano pela Universidade Batista de Ouachita (EE.UU.), onde Alan também está.

Mas, por que este “Canto Musical” apócrifo, sem a assinatura do diretor?

Existe na música o que se chama de “nota ou tom de passagem”. Serve para enriquecer a harmonia e consiste numa nota que aparece entre dois acordes, mas sem pertencer a eles. Por exemplo, um instrumento toca uma nota de um primeiro acorde e, para chegar à outra, que vem logo depois, desliza por uma nota alheia às duas harmonias. Desde o século XV tais tons são considerados válidos e são procurados na música.

Para expressar a nossa gratidão, como Departamento de Música, como povo batista brasileiro e, ainda, para augurar ao Pastor Bill e à sua distinta família os nossos votos de felicidades é que aqui estamos.

Aproveitamos um momento em que ele não estava na sala para iniciar este. Logo fomos interrompidos por ele que, à porta da C.P.B., solicitava que lhe levássemos um exemplar do livro “Vultos da Música Evangélica no Brasil”, de sua autoria. Autopromoção? Não! Era o desejo de usá-lo para evangelizar uma senhora que tinha interesse na biografia de um de seus parentes, que estava publicada no livro.

(Aliás, neste livro, o autor solicita aos leitores “uma colaboração no sentido de enviar sugestões e mesmo alguns dados biográficos de pessoas que deveriam figurar num futuro volume do livro”; aí estão as nossas sugestões que sem dúvida deveriam figurar na obra.)

Depois da visita, iria ele para a sua aula de regência, pois que estuda até hoje, tendo como colegas vários membros de igrejas batistas que talvez tenham sido despertados para a música como resultado do seu ministério aqui. Lá está ele, aprendendo novos métodos didáticos enquanto revisa seus conhecimentos e incentiva a outros regentes.

Pastor Bill, muito obrigado! Pode continuar a sua harmonia!

Pelo Departamento de Música da JUERP,

Ivo Augusto Seitz,

Secretário

© 1971 de Ivo Augusto Seitz

“Publicado originalmente em: “O Jornal Batista”, Ed. 49 , Dezembro 1971, pág. 5 – “Coluna Canto Musical”

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Marister Magalhães Frota Prado disse:

    É maravilhoso poder ver a vida frutífera deste servo do SENHOR. Deus registrou no nosso tempo os notórios feitos do nosso irmão Bill. Deus permaneça ao seu lado bem como todos seus familiares.

  2. Marister Magalhães Frota Prado disse:

    É maravilhoso poder ver a vida frutífera deste servo do SENHOR. Deus registrou no nosso tempo os notórios feitos do nosso irmão Bill. Deus permaneça ao seu lado bem como todos seus familiares.

  3. Jônatas Fernandes disse:

    Irmão Bill, você é e será sempre uma benção nas nossas vidas!!
    A música sacra e primeiramente Deus agradecem a sua existência, que o Eterno prospere seus passos!
    Um grande abrç!

  4. Jônatas Fernandes disse:

    Irmão Bill, você é e será sempre uma benção nas nossas vidas!!
    A música sacra e primeiramente Deus agradecem a sua existência, que o Eterno prospere seus passos!
    Um grande abrç!

Deixe uma resposta para Jônatas Fernandes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *