Hinos Famosos – Rolando de Nassau

(Comentários de Rolando de Nassau, dedicados ao Pastor José Ricardo Pimentel)

 

“A Deus demos glória”
(HCC-228) (CC-15)

Histórico:

Foi escrito pela poetisa cega Fanny Jane Crosby em 1875 e publicado na coletânea “Brightest and Best”, de William Howard Doane e Robert Lowry.

Foi incluído em hinários de grande diversidade teológica e cultural.

Era pouco conhecido, até 1954, nos EUA, mas no Brasil, desde 1948, constava de “Salmos e Hinos” (no.313).

A Ti, ó Deus, fiel e bom Senhor”
(HCC-8) (CC-1)

Histórico:

Este hino, original de Henry Maxwell Wright, foi escrito em 1901, usando melodia de William Henry Monk (1861).
O compositor inglês era organista em igrejas londrinas e trabalhou em três edições do célebre hinário “Hymns Ancient and Modern”.

“Bendita a hora de oração”
(HCC-378) (CC-148)

Histórico:

Sua autoria foi atribuída, em 1845, ao pregador cego W. W. Walford. Posteriormente, a pesquisa hinológica descobriu que em 1849 foi incluído o texto numa coletânea de Dowling.

A música foi composta por William B.Bradbury e aproveitada em sua coletânea “Golden Chain” (1861).

Foi traduzido por Theodoro Rodrigues Teixeira, que exerceu a direção de “O Jornal Batista”.

“Cristo amado”
(HCC-497) (CC-335)

Histórico:

Manoel Avelino de Souza escreveu a letra original deste hino, tendo escolhido a melodia composta em 1911 por Jack P. Scholfield.

A contribuição de Manoel Avelino foi dar sentimento nacional a uma hinodia importada, de origem americana, ante o fato incontrastável de que não poderia oferecer-lhe uma melodia de índole nativa, por não ser músico. Descomprometido com as letras cantadas “na outra América”, escreveu poemas que pudessem ser usados no Brasil  com as músicas de hinos americanos. Ele não precisou ser um músico genial, mas tinha que ser um poeta congenial, isto é, um poeta que atendesse às necessidades de nosso povo (Ver: “O Jornal Batista”, 21 dez 86, p.2).

“Cristo, bom mestre, eis meu querer”
(HCC-369) (CC-175)

Histórico:

Este hino de Adelaide Pollard foi escrito em 1907, composto por George C. Stebbins também em 1907.

Traduzido por William Edwin Entzminger, que, das quatro estrofes, aproveitou livremente três; o hino tinha sido publicado em 1907 no “Alexander’s Supplement” para o “Northfield Hymnal”, compilado por Stebbins, e na coletânea “Kingdom Songs” (1921). É possível tenha traduzido e publicado em “O Jornal Batista” (01 dez 1921, p.11). Não nos parece ter sido escrito quando seus filhos morreram (1891 e 1894) no Recife (PE); o hino foi originalmente escrito em 1902 ou 1907; nem quando viajou para os EUA (1904) para tratarse da lepra (ver: Edith Brock Mulholland, HCC-Notas históricas. Rio de Janeiro: JUERP, 2002, pp.286 e 287).

“Cristo já ressuscitou”
(HCC-135) (CC-101)

Histórico:

Charles Wesley compôs mais de 6.500 hinos. Este hino, apropriado para a época da Páscoa, foi publicado em 1739, com base numa letra latina medieval, e usando melodia extraída da coletânea “Lyra Davidica” (1708).

Em 1887, Henry Maxwell Wright, o tradutor, usou uma versão inglesa de 1749.

“Cristo te estende Sua forte mão”
(HCC-352)

Histórico:

Ralph Richard Carmichael, em 1968, escreveu este hino para ser usado num programa radiofônico de cunho evangelístico.

O hino foi publicado no hinário “Hymns for the Living Church” (1974), sob o título “Is your burden heavy?” (no.426).

A JUERP tinha publicado o hino na coletânea “Vinde, Cantai” (1980) e foi aproveitado no HCC (1990).

“Deus cuidará de ti”
(HCC-33) (CC-344)

Histórico:

Civilla Durfee Martin escreveu este hino em 1904, quando estava enferma, numa tarde dominical. Seu marido, Walter Stillman Martin, depois de ter pregado, voltando para casa, ao órgão compôs a música; naquela mesma tarde, o hino foi cantado; pouco tempo depois, foi incluído na coletânea que ele estava compilando para uma escola bíblica.

Salomão Luiz Ginsburg elaborou a tradução portuguesa em setembro de 1912, quando estava em Kansas City, Missouri (USA), dedicando-o ao seu amigo missionário F.M.Edwards; a tradução foi imediatamente publicada em “O Jornal Batista” (24 out 1912, p.06).

“Ele é meu e teu Senhor”
(HCC-202)

Histórico:

Com a letra e a melodia deste hino, escrito em 1978, Judy Godsey Ward obteve o 1o. lugar, entre 3 mil participantes, num concurso promovido pela Broadman Press. Daniel Danner, em 1979, fez o arranjo.

“Eu quero fazer o que queres, Senhor”
(HCC-482) (CC-298)

Histórico:

A primeira estrofe foi escrita em 1899 por Mary Brown; as segunda e terceira estrofes foram elaboradas por Charles Edwin Prior. A melodia foi composta por Carrie Esther Rousenfell, em 1894, enquanto assistia a uma conferência evangelística.

A tradução de Myron August Clark foi publicada em “O Jornal Batista” (20 ago 1901, p.1), sob o título “Consagração”.

“Finda-se este dia”
(HCC-269) (CC-556)

Histórico:

Escrito por Sabine Baring-Gould, em 1865, foi publicado em “Hymns Ancient and Modern” (1868).

Existem para este hino duas melodias: “Lyndhurst”, de Silas Vail, e “Merrial”, de Joseph Barnby.

“Grandioso és Tu”
(HCC-52)

Histórico:

Em 1886, Carl Boberg escreveu a letra deste hino, que foi publicada, em 1891, no semanário sueco “Sanningsvittnet” (Testemunho da verdade). Stuart Hine, depois de mais de dez anos, terminou, em 1948, a tradução da letra para a língua inglesa.

Nathanael Emmerich (1959), Manoel da Silveira Porto Filho (1961) e Paulo de Tarso Prado da Cunha (1964) fizeram traduções para a língua portuguesa.

“Mais perto quero estar”
(HCC-399) (CC-283)

Histórico:

Inspirada pelo relato de Jacó (o sonho de uma escada para o céu), Sarah Adams escreveu a letra deste hino, em 1840, que foi publicada na coletânea “Hymns and Anthems” (1841), de William Johnson Fox, compilada para sua congregação unitariana na Inglaterra, e no hinário “Disciples’Hymn Book” (1844), de James Freeman Clarke.

Lowell Mason, em 1856, compôs a melodia, que foi incluída na coletânea “Sabbath Hymn and Tune Book” (1859).

O texto foi cantado ou tocado por ocasião do naufrágio do “Titanic”, em 14 de abril de 1912.

“Preciosa a graça de Jesus”
(HCC-314)

Histórico:

Este hino, escrito por John Newton, ex-comerciante de escravos, foi publicado em Londres, em 1779.

A melodia, de origem desconhecida, foi publicada, em 1829, na “Columbian Harmony”, mas somente em 1835 foi usada com a letra de John Newton na coletânea “Southern Harmony”, de William Walker, sendo arranjada por Edwin Othello Excell (1900).

As 2a., 3a. e 4a. estrofes foram traduzidas, em 1969, por João Wilson Faustini.

“Quero ser um vaso de bênção”
(HCC-438) (CC-304) 

Histórico:

Este hino, letra e música, são da autoria (1903) de Harper G.Smith, publicados na coletânea “Hymns, Psalms and Gospel Songs” (1904), de James McGranahan.

Traduzido por William Edwin Entzminger. Havia, em 1914, uma tradução de Salomão Luiz Ginsburg.

“Remido”
(HCC-301)

Histórico:

A poetisa cega Fanny Jane Crosby escreveu a letra deste hino em 1882.

A melodia de William Kirkpatrick (1882) foi substituída, em 1990, pela Comissão do HCC com a melodia composta por Aubrey Lee Butler (1966), que tinha sido aproveitada na coletânea “Vinde, cantai” (1980).

“Rude cruz”
(HCC-132)

Histórico:

George Bennard escreveu a letra e compôs a música em 1913. Depois de ser apresentado em Chicago, tornou-se muito conhecido nos EUA como “gospel hymn” apropriado para campanhas evangelísticas.

Foi traduzido em 1924 pelo missionário Finis Morgan, que trabalhou em Salvador (BA) e em Araraquara (SP), e nos colégios batistas no Recife (PE), em Campos (RJ) e em São Paulo (SP).

“Salvador bendito”
(HCC-340) (CC-368)

Histórico:

A letra foi escrita em 1864 por Sabine Baring-Gould. Era prática tradicional na Inglaterra, no século 19, as crianças, enquanto marchavam de uma vila para outra, cantar conduzindo estandartes.

O hino foi publicado no “The Church Times”.

A melodia foi composta em 1871 por Arthur Seymour Sullivan em homenagem a Gertrude Clay-Ker-Seymer.

A letra do hino foi adaptada por Henry Maxwell Wright.

Este hino é cantado no filme “Mrs.Miniver”, que recebeu o prêmio da Academia de Hollywood em 1942.

“Santo! Santo! Santo!”
(HCC-2) (CC-9)

Histórico:

A letra foi escrita por Reginald Heber e publicada nas coletâneas “A Selection of Psalms and Hymns of the Parish Church of Banbury” e “Hymns Written and Adapted to the Weekly Church Service of Year”.

A melodia “Nicaea” foi composta por John Bacchus Dykes e publicada em “Hymns Ancient and Modern” (1861).

Traduzido, em 1888, por João Gomes da Rocha.

“Sou feliz com Jesus”
(HCC-329) (CC-398)

Histórico:

Em 1873, Horatio Gates Spafford, presbiteriano e advogado em Chicago, com sua esposa e suas quatro filhas planejou uma viagem para descanso na Europa. Mas problemas de negócios imprevistos forçaram Spafford a adiar sua partida; sua esposa e as filhas viajaram em novembro de 1873; numa colisão com outro navio, o “Ville du Havre” naufragou no Oceano Atlântico, tendo morrido as filhas e sido resgatada a esposa, que enviou uma mensagem telegráfica para Spafford:

“Saved alone” (Salva, sozinha). Spafford escreveu a letra deste hino quando outro navio, que o transportava para a Inglaterra, chegou perto do local da tragédia.

Em 1876, Philip Paul Bliss, que musicou a letra de Spafford, ia com a esposa para Chicago, de trem, que caiu de uma ponte e incendiou-se. Na tentativa de resgatar sua esposa, Bliss morreu afogado no rio.

Horatio e a esposa em 1881 foram morar em Jerusalém, onde tiveram sua quinta filha, Bertha Spafford Vester, que fundou um lar para crianças abandonadas.

Anne Grace Lind, neta de Spafford, guardou a quinta estrofe do hino, descoberta em 1995.

“Tu és fiel, Senhor”
(HCC-25)

Histórico: Thomas Obediah Chisholm escreveu a letra e William Marion Runyan compôs a melodia, que foram publicadas na coletânea “Songs of Salvation” (1923).

“Um só rebanho”
(HCC-574)

Histórico:

José Ilídio Freire foi outro hinógrafo evangélico brasileiro que escreveu dezenas de hinos (originais e traduções) e utilizou melodias de compositores americanos. Neste hino, aproveitou melodia de Leila Naylor Morris, composta em 1898.

Este hino foi publicado na coletânea “Hinos e Cânticos” (1963), editada pela Igreja Cristã (Irmãos Unidos).

Nota: para ler o histórico de outros hinos, basta clicar em

http://www.abordo.com.br/nassau/top_hin99.htm

Rolando de Nassau

© 2002 de Rolando de Nassau – Usado com permissão
(Artigo escrito em 01 de Setembro de 2002)

 

                       

 

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Jônatas Fernandes disse:

    Belos hinos, Lindas histórias!!

  2. Jônatas Fernandes disse:

    Belos hinos, Lindas histórias!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *