Deus dos antigos (Trad. João Wilson Faustini)

HistóriaDocumentaçãoLetraInformações

Deus dos antigos

Letra: Daniel Crane Roberts (1841-1907)
Tradução: J. Costa, 1955 / João Wilson Faustini, 1958
Métrica: 10.10.10.10
Música: George William Waren (1828-1902)

ESTA LETRA em que o rev. Daniel Crane Roberts, “fala de Deus como o criador do universo e de como Ele nos guia como nação”¹, foi escrita para a celebração do centenário do dia da independência americana em 1876 na pequena cidade de Brandon, Estado de Vermont, EUA. Roberts “suplica que a proteção de Deus continue eterna, fortalecendo-nos para glorificar o seu nome”.² . Seu texto afirma fé na liderança passada de Deus à nação, e invoca sua bênção contínua como “soberano, protetor, guia e sustentador”. Israel conhecia a importância do favor de Deus. “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor” (Salmo 33.12). Assim esse hino dá para o país uma postura de invocação em procurar a bênção contínua do Senhor. “A nossa vida vem fortalecer para o teu nome sempre engrandecer”.³ .

Pelo seu valor excepcional, a letra foi publicada em diversos jornais da época. Em 1892, submetida anonimamente, foi incluída no hinário episcopal, The hymnal (O Hinário), com a música que George W. Warren compôs especialmente para ela em 1887, por nome NATIONAL HYMN (hino nacional). Com esta música, desde então, este hino não somente tem sido incluído em hinários pelo mundo afora, mas selecionado para um bom número de extraordinárias celebrações eclesiásticas e nacionais. . O autor, Daniel Crane Roberts (1841-1907), formou-se na Faculdade Kenyon, em Gambier, Estado de Ohio, EUA. Ordenado pela Igreja Protestante Episcopal em 1866, serviu em diversas igrejas do Nordeste americano. Foi chamado para a Igreja St. Paul, de Concord, Estado de New Hampshire em 1878, onde permaneceu até a sua morte. Roberts foi presidente da Sociedade Histórica Estadual daquele Estado por muitos anos. Foi honrado com o Doutorado em Divindade (honoris causa) pela Universidade de Norwich. .

George William Warren (1828-1902), organista americano, compositor da melodia NATIONAL HYMN, nasceu na cidade de Albany, do Estado de Nova Iorque. Praticamente autodidata, foi organista em diversas grandes igrejas do estado. Escreveu muita música sacra, e em 1888 editou um hinário intitulado Hymns and tunes as sung at St.Thomas’ Church (Músicas e hinos como são entoados na Igreja de São Tomás). . Na sua apresentação do hino em Os céus proclamam, v.1, 1958, o tradutor, João Faustini descreve bem a qualidade desta música de Warren: A característica especial da melodia NATIONAL HYMN é a introdução e os interlúdios de piston. O Dr. Warren conseguiu fazer com este hino uma rara combinação de apelo marcial com uma atmosfera de santidade e reverência.4

João Wilson Faustini fez sua primeira tradução deste imponente hino em 1955, e embora esta tenha sido usada em comemorações diversas, divulgada até por rádio e televisão, Faustini, insatisfeito com a primeira tentativa, fez uma segunda tradução em 1958 para Os céus proclamam, v.I, com o título Deus dos antigos. (Ver dados de Faustini no HCC 13). É esta a tradução usada no hinário Seja louvado e no Hinário para o culto cristão. . Por anos os conjuntos corais batistas tiveram o privilégio de cantar este hino com o arranjo do compositor e hinólogo Dr. William J. Reynolds, achado na coletânea Antemas corais, compilado por Bill Ichter, e publicado pela Casa Publicadora Batista (JUERP) em 1961. Agora está ao alcance da congregação!

….

*Texto retirado do livro Notas Históricas do HCC, Edith Brock Mulholland. Rio de Janeiro. JUERP, 2001.

Notas:

¹. FAUSTINI, João Wilson. O reino de Deus na terra, Histórias dos hinos, Os céus proclamam, v.I. 2ª ed. Jandira, SP: Instituto José Manuel da Conceição, 1959. p.43.

². Ibid

³. GERIG, Richard E. God of our fathers. Em: HUSTAD, Donald P. The worshiping church: A hymnal, Worship leader’s edition. Carol Stream, IL: Hope Publishing Company, 1990. n.419.

4. FAUSTINI. Loc. cit.

“Músico”, Pseudônimo “Poeta”

Este foi um dos primeiros hinos que o Reverendo Presbiteriano Independente, maestro João Wilson Faustini tentou traduzir, após tê-lo ouvido muitas vezes cantado nas igrejas norte-americanas e nos cultos da capela do Westminster Choir College em Princeton, New Jersey, onde fez o Bacharelado em música.

A primeira tentativa começava com as palavras: “Desde o passado Deus nos protegeu”. Essa primeira tradução, que na realidade era mais uma adaptação do texto original, foi usada no Brasil, pela primeira vez, na comemoração do 31 de julho de 1955 pelo coral da Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo, regido na ocasião por Martha Faustini, irmã mais velha de Faustini, e que o antecedeu naquele posto.

No segundo semestre de 1955 foi usado no culto de formatura do Instituto José Manuel da Conceição, acompanhado por um pistão, num culto especial de ações da graças realizado na Terceira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo.

Com efeito, o hino foi largamente lembrado, tendo sido cantado inúmeras vezes pelo Coral Presbiteriano. Esse coral era formado pelos corais da Primeira Igreja Presbiteriana Independente e Instituto José Manuel da Conceição, que eram regidos por Faustini, e os da Igreja Unida de São Paulo e Instituto Cultura Religiosa regidos por Nilce do Val Galante.

Este coral, apesar de ter tido uma curta duração, foi ideia de um eminente pregador presbiteriano, fundador e grande incentivador que organizou uma série de concertos de grande projeção em São Paulo, inclusive na Rádio Gazeta, Televisão Tupi e até no Teatro Municipal. Era natural, portanto, que o hino se tornasse amplamente conhecido, depressa.

Certo dia, participando de um culto da Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo, Faustini verificou que a congregação já o cantava entusiasticamente, mas com diversas alterações no texto. Após o culto o pastor daquela igreja, se justificou ao cumprimentá-lo na saída do templo. “Faustini”, disse ele, “você faz um bom trabalho com a música e com o coral, mas não creio que você seja poeta. Continue a fazer música e deixe que os poetas façam as letras dos hinos. ”

Faustini não ficou ofendido com as suas observações, mas aproveitou a oportunidade para mostrar a ele então diversos erros de prosódia e acentuação musical que ele fizera, pois embora fosse bem-intencionado, sua métrica para música deixava muito a desejar na questão da acentuação tônica do texto.

Logo após este incidente, Faustini tentou melhorar a versão de “Desde o Passado”, que era realmente um tanto pobre. Desse esforço nasceu “Deus dos Antigos”, mais semelhante ao texto original “God of Our Fathers, Whose Almighty Hand”. Nesta nova tradução, porém, Faustini usou por algum tempo e pela primeira vez, o pseudônimo de “J. Costa” (J de João e C de Costa, porque a esposa era Costa).

Na publicação do hino, porém, em julho de 1958, na primeira edição do volume I de “Os Céus Proclamam”, hesitou em usar o pseudônimo, e publicou-o como sendo de J.W. Faustini. Durante muito tempo ninguém sabia quem era “J. Costa”, e ele muito se divertia com os comentários que ouvia a respeito de suas traduções.

Certo dia, antes da publicação de “Deus dos Antigos”, teve ocasião de mostrar esse hino, que na cópia indicava como tradutor “J. Costa”, ao mesmo pastor que havia criticado suas letras. Pediu que ele desse a sua opinião a respeito. Ele o leu em voz alta, com o seu lindo timbre vocal grave, e em seguida disse: “Vê-se que quem o escreveu é um poeta genuíno. Excelente tradução”.

“A partir daí ele mesmo deixou de lado a sua tradução, e usava “Deus dos Antigos” de J. Costa regularmente nos cultos da Igreja Presbiteriana Unida, e mais tarde, também na Igreja Jardim das Oliveiras. É bem possível que este pastor tenha morrido sem saber que o próprio João Wilson Faustini havia escrito aquela nova versão!

Com isso Faustini também se convenceu de que as pessoas nos enquadram em certas categorias permanentes das quais não podem aceitar que saiamos!

Na sua apresentação do hino em “Os céus proclamam”, v.1, 1958, o tradutor, João Wilson Faustini descreve bem a qualidade desta música de Warren:

 “A característica especial da melodia NATIONAL HYMN é a introdução e os interlúdios de piston. O Dr. Warren conseguiu fazer com este hino uma rara combinação de apelo marcial com uma atmosfera de santidade e reverência.1.4

Robson Junior ao transcrever depoimento¹ do Rev. João Wilson Faustini

¹. FAUSTINI, João Wilson. Entrevista publicada em web site. Disponível em: <http://soemus.org.br/?page_id=135>. Acesso em 17 mar. 2016

As partituras editadas, atualizadas e aprimoradas encontram-se na aba “Recursos e Partituras”. Toda partitura da aba “Documentação” é publicada a fim de comprovar os autores/tradutores/arranjadores/adaptadores das devidas obras musicais.

Deus dos antigos

Letra: Daniel Crane Roberts (1841-1907)
Tradução: J. Costa, 1955 / João Wilson Faustini, 1958
Métrica: 10.10.10.10
Música: George William Waren (1828-1902)

Deus dos antigos, cuja forte mão
Rege e sustém os astros da amplidão;
Do cintilante céu inspirador;
Com gratidão cantamos teu louvor.

Guiou-nos já outrora o teu amor;
Sê, do país, o eterno ajudador;
Sê nosso Esteio, Guia e Proteção.
Tua palavra, lei e direção.

Da guerra e a morte ou crime assolador
Seja o teu braço nosso defensor;
Nos corações implanta a fé audaz
Para fruirmos o teu amor na paz.

Teu povo, ó Deus, restaura em seu labor.
Transforma a noite em dia de esplendor.
As nossas vidas vem fortalecer
Para o teu nome sempre engrandecer. Amém.

Deus dos antigos 

Letra: Daniel Crane Roberts (1841-1907)

Tradução: J. Costa (1931) / João Wilson Faustini (1931)

Métrica: 10.10.10.10

Música: George William Waren (1828-1902)

Data da letra: 1876

Data da melodia: 1892

Data da tradução: 1955 / 1958

Título original: “God of Our Fathers, Whose Almight Hand”

Título original em Português: “Deus dos antigos”

Nome da melodia: NATIONAL HYMN

Primeira linha da primeira estrofe: Deus dos antigos, cuja forte mão

Fonte original em Português:  Os céus proclamam, 1958.

Fontes: HCC (34), NC (18), SL (285), SH (64), CTP (13)

Referência Bíblica: Salmos 105.2,5,6

Áudio: CD Exultai! Vinde todos louvar! –  Grande Coral Evangélico – Regência Dorotéa Kerr, 2004. (Faixa 18) – Usado com permissão

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Jônatas Fernandes disse:

    …rs, muito bom!! Seria interessante disponibilizar a partitura…
    Abraço!

  2. Jônatas Fernandes disse:

    …rs, muito bom!! Seria interessante disponibilizar a partitura…
    Abraço!

Deixe uma resposta para Administrador Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *