Como formar uma Biblioteca de Música – Rolando de Nassau

(Especial para “Hinologia Cristã”)

Desejo prestar informações atualizadas e dar sugestões práticas para a formação de uma biblioteca no departamento de música da sua igreja.

A primeira providência do bibliotecário é a constituição do acervo.

Seleção e aquisição do material

O material bibliográfico (livros, opúsculos, publicações periódicas, catálogos e partituras) e fonográfico (discos LP, CD, DVD) deve ser previamente selecionado, para aquisição por compra ou doação, pelo bibliotecário, que submeterá a lista ao diretor do departamento de música da igreja.

O bibliotecário deve selecionar com muito cuidado, procurando aplicar eficientemente a verba disponível. A seleção deve considerar o valor do material bibliográfico ou fonográfico, e o interesse do consulente da biblioteca.

A doação precisa também ser avaliada, quer pelo interesse que possa despertar no consulente, quer pelo estado em que se encontra o material. Em caso de duplicata em bom estado, pode ser permutada ou doada a outra biblioteca.

Cremos que a biblioteca deve ter o seguinte material bibliográfico:

  1. Dicionários e enciclopédias

1)  Blom, Eric (ed.). Grove’s Dictionary of music and musicians. 5th ed. 10 vols. New York: St.Martin’s Press, 1970.

2) Candé, Roland de. La musique. Paris: Éd. du Seuil, 1969.

3) Dufourq, Norbert, dir. La música. 2 vols. Barcelona: Planeta. 1976.

4) Duprat, Régis. Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Ed., 1977.

5) Duprat, Régis. Enciclopédia da música brasileira – Erudita. São Paulo: Art Ed., 2000

6) Honegger, Marc. Dictionnaire de la musique. 3 vols. Paris: Bordas, 1970

7) Scholes, Percy (dir.). The Oxford Companion to Music. 10th ed. London: Oxford University Press, 1974.

8) Sadie, Stanley, org. The New Grove Dictionary of Music and Musicians. 20 vols. London: MacMillan, 1980.

9) Sinzig, Pedro. Dicionário musical. 2ª ed. Rio de Janeiro: Kosmos, 1976.

  1. Obras técnicas

1) Barreto, Ceição de Barros. Canto coral. Petrópolis: Vozes, 1973.

2) Braga, Bueno. Introdução à análise musical. São Paulo: Musicália, 1975.

3) Cardoso, Belmira. Curso completo de teoria musical e solfejo. São Paulo: Vitale, 1974.

4) Frias, Irvany. Estudo dirigido de educação musical. São Paulo: Orfeu, 1972.

5) Oliver, Bennie May (ed.). Um estudo para coros graduados. Rio de Janeiro: JUERP, 1976.

6) Pezzela, Francesco. Noções básicas de teoria musical. São Paulo: Musicália, 1976.

7) Priolli, Maria Luiza de Mattos. Princípios básicos da música para a juventude. Rio de Janeiro: Oliveira, 1975.

8) Ream, Albert Willard. Estudo sobre a voz infantil. 2ª ed. São Paulo: Imprensa Metodista, 1973.

  1. Apreciação musical

1) Andrade, Mário de. Ensaio sobre a música brasileira. 3ª. ed. São Paulo: Martins, 1972

2) Caldeira Filho, João. Apreciação musical. São Paulo: Fermata, 1971.

3) Copland, Aaron. Como ouvir e entender música. Rio de Janeiro: Artenova, 1974.

4) Crocker, Richard L. A History of Musical Style. New York: Dover, 1986.

5) Dahlhaus, Carl. Esthetics of Music. Cambridge: Univ.of Cambridge Press, 1982.

6) Hanslick, Eduard. Do belo musical. Campinas: Edit.da UNICAMP, 1989.

7) Mariz, Vasco. A canção brasileira: erudita, folclórica, popular. 3ª. ed. Rio  de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

8) Pleasants, Henry, ed. Hanslick’s Music Criticisms. New York: Dover, 1988.

9) Rosen, Charles. The Classical Style: Haydn, Mozart, Beethoven.New York: Norton, 1971.

  1. Musicologia

1) Kerman, Joseph. Musicology. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

2) Mariz, Vasco. Três musicólogos brasileiros: Mário de Andrade, Renato Almeida, Luiz Heitor Correa de Azevedo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

3) Seeger, Charles. Studies in Musicology, 1935-1975. Berkeley: Univ.of California Press, 1977.

  1. História da Música

1) Andrade, Mário de. Pequena história da música. 8ª ed. São Paulo: Martins, 1980.

2) Blanning, Tim. O triunfo da música. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

3) Burrows, John, ed. The Complete Classical Music Guide. New York: DK, 2012.

4) Carpeaux, Otto Maria. Uma nova história da música. 3ª ed. Rio de Janeiro: Alhambra, 1977.

5) Fernandes Braga, Henriqueta Rosa. Do coral e sua projeção na história da música. Rio de Janeiro: Kosmos, 1958.

6) Fernandes Braga, Henriqueta Rosa. Música sacra evangélica no Brasil. Rio de Janeiro: Kosmos, 1961.

7) Galway, James. A música no tempo. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

8) Ichter, Bill (dir.). A música sacra e sua história. Rio de Janeiro: JUERP, 1976.

9) Ichter, Bill. Vultos da música evangélica no Brasil. Rio de Janeiro: JUERP, 1967.

10) Kiefer, Bruno. História da música brasileira. 2ª ed. Porto Alegre: Movimento, 1977.

11) McCommon, Paul. A música na Bíblia. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1963.

12) Schubert, Guilherme. A música sacra na história da música. Rio de Janeiro: Electra, 1970.

13) The New Oxford History of Music. 11 vols. London: Oxford University Press, 1975.

14) Wanderley, Ruy. História da música sacra. São Paulo: Imprensa Metodista, 1977.

  1. Hinologia

1) Dürr, Alfred. As cantatas de Bach. Bauru, SP: Editora da Universidade do Sagrado Coração – EDUSC, 2014.

2) Fernandes Braga, Henriqueta Rosa. Cânticos do Natal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1954.

3) Forbis, Wesley L. Handbook to the Baptist Hymnal. Nashville, Tennessee: Convention Press, 1992.

4) Ichter, Bill. Se os hinos falassem… Rio de Janeiro: JUERP, 1966/1977.

5) Keith, Edmond D. Hinódia cristã. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, c. 1961.

6) McElrath, Hugh T. Você e seu hinário. Rio de Janeiro: JUERP, 1976.

7) Mulholland, Edith Brock, comp. Hinário para o culto cristão – Notas históricas. Rio de Janeiro: JUERP, 2001.

8) Netl, Paul. De Lutero a Bach. Buenos Aires: La Aurora, 1968.

9) Reynolds, William J. Companion to Baptist Hymnal. Nashville, Tennessee: Broadman, 1976.

  1. Liturgia

1) Cavalcanti de Albuquerque, Amaro. Música brasileira na liturgia. Petrópolis: Vozes, 1969.

2) Faustini, João Wilson. Música e adoração. São Paulo: Imprensa Metodista, 1973.

3) Gelineau, Joseph. Canto e música no culto cristão. Petrópolis: Vozes, 1968.

4) Routley, Erik. Church music and theology. Philadelphia: Fortress Press, 1965.

5) Souza, José Geraldo de. Folcmusic e liturgia. Petrópolis: Vozes, 1966.

6) Stefani, Gino. A aclamação de todo um povo. Petrópolis: Vozes, 1969.

  1. Hinários para a congregação

1) Baptist Hymnal.  Nashville, Tenn.: Convention Press, 1975.

2) Cantai Todos os Povos. 2a. ed. São Paulo: Ed. Pendão Real, 2006.

3) Cantor Cristão. 36ª ed., (4ª ed. com música). Rio de Janeiro: JUERP, 1971.

4) Harpa Cristã. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 1992.

5) Hinário para o Culto Cristão.1a. ed. Rio de Janeiro: JUERP/CBB, 1990.

6) Hinário Evangélico (com música) 2ª ed. Rio de Janeiro: Confederação Evangélica do Brasil, 1978.

7) Hinário Luterano (IELB). Porto Alegre, RS: Concórdia Editora, 1986.

8) Hinos do Povo de Deus (IECLB). São Leopoldo, RS: Editora Sinodal, 1981.

9) Hinos do Povo de Deus – Vol.2 (IECLB) São Leopoldo, RS: Editora Sinodal, 2001.

10) Hymns for the Family of God. Nashville, Tennessee: Paragon, 1976.

11) Hymns for the Living Church. Carol Stream, Illinois: Hope, 1974.

12) Novo Cântico (Hinário Presbiteriano). 1a.ed. São Paulo, SP: Casa Editora Presbiteriana, 1991.

13) Salmos e Hinos. (com música) 5a. ed. Rio de Janeiro: Igreja Evangélica Fluminense, 1975.

14) Seja Louvado. 1a. ed. Newark, New Jersey: Igreja Presbiteriana Unida, 1972.

15) The Baptist Hymnal. Nashville, Tennessee: Convention Press, 1991.

16) The Hymnal.  New York: Episcopal Church Hymnal Corporation, 1982.

  1. Música para coros

1) Bach, Johann Sebastian. Dai graças ao Senhor (Cantata, BWV-192). São Paulo: Redijo 1974.

2) Binet, Jean. Cantata de Natal. São Paulo: Imprensa Metodista, 1973.

3) Burroughs, Bob. Escuta outra vez (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1977.

4) Carvalho, Waldernir (comp.). O som nosso de cada dia. 2 vols. Duque de Caxias: AFE, 1978.

5) — Hinos para a família de Deus. Rio de Janeiro: Tempo, 1980.

6) Clark, Eugene L. A maior história ainda não contada (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1969.

7) Cole, Roger (comp.). Glória ao Salvador. São Paulo: Convenção Batista Estadual, 1979.

8) Crouch, Letha Cole. Cante o Natal (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1978.

9) Faustini, João Wilson. Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo o evangelho     de São João. São Paulo: Imprensa Metodista, c. 1970.

10) — O reino divino (cantata). São Paulo: Redijo, 1978.

11) — Hinos tradicionais de Natal. São Paulo: Redijo, 1978.

12) — Cânones. São Paulo: Redijo, 1978.

13) Graham, Robert. Eis! A Estrela (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1968.

14) — Gólgota (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1977.

15) Haendel, Georg Friedrich. Messias (oratório). Rio de Janeiro: JUERP, 1977.

16) Ichter, Bill (comp.). Antemas Corais. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1961.

17) Lakschevitz, Arthur (comp.). Coros Sacros. 8 vols. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1931/1951.

18) Muirhead, Alyna. Antemas celestes. 2ª ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1961.

19) — Pérolas. 3 vols. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1962.

20) Nunes Garcia, José Maurício. Matinas do Natal. Rio de Janeiro: Funarte Associação de Canto Coral, 1978.

21) — Obras corais a capella. Rio de Janeiro: Associação de Canto Coral, 1976.

22) Oldenburg, Bob. Boas novas (cantata). São Paulo: Convenção Batista Estadual, 1971.

23) Peterson, John Willard. Rei dos Reis (cantata). Duque de Caxias: AFE, 1976.

24) — Maior amor (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1970.

25) — Eu vos envio (cantata) Rio de Janeiro: JUERP, 1972.

26) Red, Buryl. Celebração (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1975.

27) Reynolds, William J. Testemunho (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1975.

28) Ringwald, Roy. A canção do Natal (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1973.

29) Schneider, Leo. São João Batista (oratório). São Paulo: Imprensa Metodista, 1966.

30) Silva Neto, João Fernandes. A linda história (cantata). São Paulo: Redijo, 1978.

31) Spann, Fred (comp.). Coral sinfônico. Rio de Janeiro: JUERP, 1970.

32) — O novo som da nova vida. 2 vols. Rio de Janeiro: JUERP, 1974.

33) Sutton, Joan Larie Riffey. E habitou entre nós (cantata). São Paulo: Imprensa Metodista, 1971.

34) — (trad.). Coros juvenis. 2ª ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1978.

35) — O presente de Natal (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1979.

36) Upshur, Claire. Natal para as crianças. Rio de Janeiro: JUERP, s.d.

37) Williams, David. Um menino nos nasceu (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1974.

38) Wilson, John Floyd. Pastores venham celebrar (cantata). Rio de Janeiro: JUERP, 1978.

  1. Música para instrumentos

1) Wanderley, Ruy. Corais de Johann Walther (para flautas-doces). São Paulo: Imprensa Metodista, 1973.

2) — Jornadas do Pastoril (para flautas-doces). São Paulo: Imprensa Metodista, 1974.

3) — Hinos que a igreja canta (para flautas-doces). São Paulo: Redijo, 1980.

4) Zimmermann– Castelo forte. São Paulo: Imprensa Metodista, 1971.

Verifique quais são as obras possuídas e selecione para aquisição as que você não tem.

A discoteca é uma seção importante da biblioteca do departamento de música da igreja, que deve conter discos representativos dos vários períodos históricos da música.

Estamos à sua disposição (nassau@abordo.com.br) para lhe sugerir diretamente os compositores e respectivas obras que devem figurar na sua discoteca.

Classificação

Depois de tombado, isto é, depois de registrada a entrada do material na biblioteca ou discoteca da igreja, deve-se proceder à classificação, agrupando os materiais de acordo com os assuntos de que tratam.

No quadro de funcionários voluntários ou contratados pelo departamento de música deve existir um bibliotecário especializado em organização informatizada do acervo.

O bibliotecário e/ou discotecário deve adotar um sistema de classificação. O mais aconselhável é o sistema decimal concebido em 1876 por Melvil Dewey (1851-1931) (ver: Decimal Classification and Relative Index. 19th ed. Albany, N.Y.: Forest Press, 1979), que divide o campo dos conhecimentos humanos em 10 classes; cada classe divide-se em 10 divisões; cada divisão divide-se em 10 seções. Existe uma edição atualizada.

Desta maneira, 783 significa: classe 7 – Belas Artes, divisão 8 – Música, seção 3 – Música Sacra.

Nas publicações, a classificação consta da ficha catalográfica impressa no reverso da folha-de-rosto. Para classificar nosso acervo particular, adaptamos a CDD (classificação decimal “Dewey”).

Catalogação e arrumação do material

Selecionado, adquirido, tombado e classificado, o acervo deve ser meticulosamente catalogado. Catalogar é registrar tudo o que há na biblioteca, para que o consulente possa saber, através do catálogo, o que nela existe e qual a sua localização. O catálogo deve informar o que existe de determinado autor, com determinado título e sobre determinado assunto.

O catálogo sistemático é organizado de acordo com o sistema de classificação adotado pela biblioteca.

Somente depois de catalogar, os itens devem ser arrumados pelos seus “números de chamada”. São considerados primeiramente os números de classificação. Coincidindo esses números, observaremos a ordem alfabética das iniciais dos sobrenomes dos autores ou compositores. Por exemplo: cantatas de Bach e de Buxtehude têm o número de classificação 783.40; as de Bach precederão as de Buxtehude na arrumação, nas prateleiras ou nas pastas.

Uma arrumação racional do acervo bibliográfico e fonográfico facilita a consulta e o empréstimo.

Deixamos outros aspectos da organização da biblioteca para a literatura especializada, que deve ser estudada pelo diretor do departamento de música da igreja.

Você tem os elementos primordiais para formar sua biblioteca ou discoteca. Agora, mãos à obra!

Rolando de Nassau

Brasília, DF, 17 de dezembro de 2015.

© 2015 de Rolando de Nassau – Usado com permissão
Digitação: Joaquim Júnior
(Este texto é resultado da atualização dos artigos nos. 208, 209 e 210, publicados em “O Jornal Batista”,
nas edições de 31 de maio, 07 e 14 de junho de 1981)
nassau@abordo.com.br

Nota do Hinologia Cristã: Em breve iremos indicar o link redirecionando para as editoras responsáveis para aquisição de material original. No caso dos trabalhos esgotados, já estamos trabalhando para a reedição gratuita em forma de E-book no site.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *