Como compor um hino (Melodia) – Ralph Manuel

Muita gente pensa que a pessoa que escreve músicas faz isso através da inspiração divina, ou seja, que a melodia simplesmente chega pronta na mente da pessoa; basta só anotar o que tem na cabeça. Eu não discordo da possibilidade de Deus ajudar a pessoa a compor, mas a verdade é que é muito raro “receber” músicas prontinhas desse jeito. A maneira de escrever qualquer tipo de música é normalmente feita através de um processo, uma série de decisões feitas para que a música tome forma pouco a pouco. Em cada passo a pessoa usa o seu bom senso musical para avaliar e prosseguir até que a música fique pronta. Em cada um desses passos Deus está presente, pronto para ajudar a quem Lhe pedir.

Para quem desejar alguma ajuda em escrever uma melodia nova para um hino – ou seja, quando a melodia não simplesmente “cair dentro da cabeça”- aqui são alguns conselhos.

Comece com uma boa letra. De preferência, a letra do hino deveria ser metrificada, que quer dizer, cada estrofe obedece a um padrão fixo de número de sílabas, arrumadas em pés poéticos. O mais fácil é procurar uma letra de algum hinário na edição sem música, como, por exemplo, Cantor Cristão, Seja Louvado, Salmos e Hinos, entre outros. Escolha uma letra cuja melodia original você não conhece. Leia a letra várias vezes e medite sobre o que lhe diz.

Determine o caráter geral da letra. Depois de ler e meditar sobre a letra, decida qual é o caráter geral dela que deveria ser transmitido pela música. Alguns exemplos são: majestoso, contemplativo, de exultação, de súplica, triste, alegre, etc.

Decida qual vai ser o andamento e o compasso. Você imagina que o andamento da música deveria ser rápido? Lento? Alguma coisa no meio? Decida qual é. Depois disso, escolha o compasso (3/4, 4/4, 6/8, 2/2, etc.). Se não souber fazer esta determinação, escolha qualquer um (não tem resposta errada).

Determine quais são as sílabas acentuadas no texto. Analise cada linha do texto para ver onde caem as sílabas acentuadas, ou seja, as sílabas tônicas. (Não se esqueça dos monossílabos tônicos também!) Se o seu texto proveio de algum hinário (ou seja, já metrificado), você vai perceber um certo padrão na frequência da ocorrência das sílabas tônicas, em relação com as sílabas átonas.

Escreva o ritmo da melodia. Agora que você sabe onde ficam as sílabas acentuadas do texto, crie um ritmo para a letra, dentro do compasso que você já escolheu, tendo em mente as seguintes considerações:

  • Coloque as sílabas acentuadas do texto em lugares acentuados da música:
    • Num tempo forte (tempo 1° de cada compasso, ou tempos 1 ou 3 em compasso de 4/4);
    • Numa posição forte dentro do tempo (a primeira nota em qualquer tempo onde houver subdivisão de valores);
    • Numa síncope (quando uma nota normalmente acentuada “chega antes”, assim:)
  • O caráter da letra vai ajudar em determinar qual tipo de ritmo a usar. Confira estes hinos (os números são do Hinário Para o Culto Cristão, ou HCC):
    • “Castelo Forte É Nosso Deus” (406) – Bem firme, seguro
    • “Da Sepultura Saiu” (140) – Sombrio, depois exultante
    • “O Rei da Glória, o Rei dos Reis” (194) – Majestoso, régio
  • Investigue a possibilidade de repetir padrões rítmicos. Confira estes hinos:
    • “A Minha Fé e o Meu Amor” (348) – o padrão é de 4 em 4 notas
    • “Pão da Vida” (516) – de dois em dois compassos
    • “Quão Preciosas São as Horas” (400) – de 4 em 4 compassos
  • Escreva o ritmo. Não seja complicado demais!
  • Pare, pense um dia, volte ao ritmo. Pode revisar e melhorar onde for preciso.

Escolha a tonalidade da melodia. Nesta altura, não importa qual tonalidade você escolhe. Depois, se você descobrir que a melodia ficou com notas muito agudas ou muito graves, poderá transpor tudo para uma tonalidade mais cômoda.

Escreva a melodia, usando o ritmo já escrito e a tonalidade que já escolheu.

  • Pense na estrutura da melodia, antes de começar. Deve incluir alguns elementos de repetição e também de contraste. Confira estes hinos do HCC:
    • “Santifica a Tua Igreja” (388) – as quatro frases são: A A B A, que significa que as melodias das frases 1, 2 e 4 são idênticas [repetição], enquanto a melodia da 3ª frase é diferente das outras [contraste].
    • “Ao Contemplar a Rude Cruz” (127) – as quatro frases são: A B A B’, que significa que as melodias das frases 1 e 3 são idênticas [repetição], enquanto as melodias das frases 2 e 4 são diferentes das outras [contraste]. Note que as frases 2 e 4 começam iguais, mas terminam diferente uma da outra, que quer dizer que existem elementos de repetição e contraste simultaneamente nestas frases.
    • “Num Berço de Palhas” (99) – as quatro frases são: A B A C. Acho que você pode entender o que isto significa!
    • Há inúmeras outras possibilidades também. Examine outros hinos para encontrar mais exemplos.
  • Considere a possibilidade de repetir motivos melódicos. Por exemplo: no hino “Noite de Paz! Noite de Amor!” (91 do HCC), quantas vezes você ouve a repetição das primeiras quatro notas?
  • O uso de sequência geralmente é bom. “Sequência” é uma repetição imediata de um motivo musical, começando numa nota diferente. Exemplos:
    • “Oh, Momento Glorioso!” (196) – o motivo inicial (as primeiras quatro notas), que começa em Lá, se repete imediatamente começando em Dó.
    • “Logo de Manhã” (401) – o motivo aqui (que começa em Ré) abrange os primeiros dois compassos; o motivo se repete no 3° compasso começando em
    • “Como Agradecer a Jesus?” (422) – a parte que tem a letra “A Deus demos glória” utiliza sequência nas repetições destas palavras.
  • Pode repetir partes da melodia ou da letra se quiser. Exemplos:
    • “Justo És, Senhor” (22) – a letra é repetida com a mesma melodia.t
    • “Um Só Rebanho” (574) – a letra é repetida com melodia diferente, no final de cada estrofe.
  • É hora de começar! Mas como? Você já tem o ritmo e a tonalidade. Então, comece! Com qualquer coisa. Depois, se não gostar, pode modificar.
  • Outras considerações:
    • A melodia tem que ser cantável. Evite pulos difíceis ou exquisitos.
    • Evite notas muito graves ou muito agudos. A extensão ideal para a congregação é de manter as notas cantadas entre Dó3 e Ré4.

Agora que escreveu a melodia, não terminou ainda.

  • Sempre, sempre, pode revisar o que já escreveu. Se alguma coisa não parecer exatamente certa, procure outra saída até que você fique satisfeito com o que tem.
  • Cante a melodia que você escreveu, em todas as estrofes. Verifique o casamento entre a melodia e a letra.
  • Meus parabéns! Que Deus seja louvado através da melodia que foi criada.

Dr. Ralph Manuel

© 2018 de Ralph Manuel – Usado com permissão

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *