Calvino e o Saltério de Genebra – Cyrene Paparotti

Lembramos a data natalícia de João Calvino, em 10/07/1509, Noyon, França. Ele ocupa o lugar central do movimento da reforma nos países de língua francesa.

Em 1536, na cidade de Estrasburgo, Calvino escreveu a Instituição da Religião Cristã (As Institutas) e nela, ele já insistia sobre a importância do canto dos Salmos, manifestando o desejo de criar um livro com os Salmos rimados, metrificados em língua francesa.  Em 1538, ele se familiariza com os salmos versificados por Martinho Lutero e os adapta para a comunidade francesa com a ajuda de poetas. Em 1539 ele já edita Alguns Salmos e cânticos Aulcuns Pseaulmes et cantiques composto de 13 salmos, o Cântico de Simeão, os Mandamentos e o Credo.

O prefácio desta edição reza: [neste volume] “se desenvolve a necessidade da oração em língua não erudita e do canto, seguida de um formulário de batismo, celebração da Ceia, do casamento, visitação de doentes, constituindo assim do primeiro ritual protestante de Genebra.”

où il développe la nécessité de la prière en langue vulgaire et du chant ; elle est suivie d’un formulaire pour le baptême, la célébration de la Cène, le mariage et la visitation des malades, constituant ainsi le premier rituel protestant de Genève.

Le Psautier de Genéve

De 1541 até a sua morte em 1564, Calvino residiu em Genebra, fugindo das guerras de religião na França. Porém ele manteve contato estreito com os protestantes franceses. Estando em solo estrangeiro, Calvino pode propiciar o fornecimento de bíblias, novos testamentos e hinários, impressos nas 30 prensas da Genebra. Ele também redigia comentários da Bíblia, sermões e lições teológicas, além de instruir e encorajar prisioneiros, ou ainda guiar à distância pessoas de posição importante convertidas.  Ele fundou uma academia em Genebra em 1559. Muitas vezes, Calvino direcionava o trabalho de colportores (vendedores ambulantes de livros) ou até mesmo de “contrabando”, recebendo barris de vinho da França e devolvendo os mesmos, repletos de material protestante.

O que conhecemos como Saltério de Genebra foi uma construção paulatina. Em 1543, em Genebra, aparece a edição de 50 Salmos com melodias (49 salmos, Cântico de Simeão, Mandamentos, Credo, Saudação Angelical, Oração para ante e após a refeição). Em 1551 é editado Oitenta e Três salmos com melodias (Octante-trois psaumes, avec des melodies). Em 1553 surge Oitenta e Nove Salmos (Octante-neuf psaumes).

Em Genebra reinava grande disciplina religiosa. Os modos eram mais austeros e puros, tanto no vestir, como no comer, no falar e na música. Muitos franceses vinham procurar refúgio lá ou vinham estudar para serem pastores. Calvino foi bem restrito na questão da hinódia protestante em língua francesa. Ele defendia a ideia de que não havia melhor poesia que a dos Salmos, legitimamente ditados pelo Espírito Santo. A música que embalava estes Salmos, deveria ser diferente daquela cantada às mesas. Os textos dos Salmos foram colocados em versos por diferentes poetas franceses da Renascença.  Clément Marot, amigo do rei Francisco 1º e Théodore de Bèze foram os principais deles. Louis Bourgeois, de Paris, Pierre Daguès, de Montricoux, Guillaume Franc e muitos anônimos contribuíram com a realização musical dos Salmos metrificados.  A primeira edição completa do Saltério de Genebra (Psautier de Genève) data de 1562.

Segundo Calvino a música deveria ser monódica. A polifonia não era bem vista, nem mesmo para os instrumentos. Como consequência, muitos órgãos foram desmontados ou até mesmo queimados. As melodias eram baseadas nos modos eclesiásticos, especialmente os modos de Ré (dórico) e de Sol (mixolídio). A prática Calvinista teve adeptos na Alemanha também, luteranos cantavam estes salmos metrificados. Mesmo J.S. Bach teve contato com esta prática na corte de Köthen entre 1717 e 1723. O Saltério de Genebra inspirou os de Lyon, de Lausanne, Huguenot, os quais foram se perdendo com o tempo.

Nas igrejas um cantor (chantre) entoava os salmos e a congregação os repetia. Nos cultos domésticos eles eram também cantados. Embora contrariando os dizeres de Calvino, Claude Le Jeune (1528-1600) e Claude Goudimel (1505- 1572) fizeram versões polifônicas dos salmos. Eles diziam que estas versões mais alegres poderiam ser cantadas nas casas. Para todos os efeitos, não se pode deter a evolução musical em tempo algum.

João Calvino foi emblemático para a Reforma Protestante, pois politicamente ele se instalou na República de Genebra*, um estado independente desde 1534 tornando Genebra a “Roma Protestante”, porém com grande ebulição intelectual e teológica, criando até mesmo a escolaridade gratuita e obrigatória.  Eis aí o evangelho iluminando o mundo.  Em 1564, o mundo lamenta o desaparecimento do seu grande pastor.

*República de Genebra (em 1798 é anexada à França e em 1815 à Confederação Suissa).

Referências:

BOST, C. Histoire des Protestants de France. p.49-52. La Cause- Carrières sous Poissy- Franc

LEJEUNE, J.  Reforme & Contrereforme p.10 e 11.  Outhere 2010- Áustria

Mestre Cyrene Paparotti Gounin
Professora no Music Center em São Paulo

© 2019 de Cyrene Paparotti – Usado com permissão

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *