Antônio Almeida

Biografia

Rev. Prof. Antônio Almeida (1879-1969)

Rev. Antônio Almeida

Antônio Almeida destacou-se por suas contribuições à educação teológica, tanto dentro quanto fora dos limites da Igreja Presbiteriana do Brasil. Ele nasceu no dia 11 de julho de 1879 em São Paulo (atual Frei Paulo), no Estado de Sergipe, sendo filho de Pedro José de Almeida e Maria das Virgens Almeida. Depois de estudar no Colégio Americano de Aracaju (1900-1901), empreendeu os estudos teológicos no pequeno seminário de Garanhuns (1902-1905), com os Revs. Martinho de Oliveira e George Henderlite. Veio a se casar com Maria Barra de Oliveira, viúva do Rev. Martinho de Oliveira, falecido em 1903. Mostrou-se um verdadeiro pai para os filhos do finado pastor.

Foi ordenado pelo Presbitério de Pernambuco em 29 de novembro de 1905, em Natal. Na mesma ocasião foram ordenados seus colegas Alfredo Ferreira, Benjamim Marinho e João Marques da Mota Sobrinho. Trabalhou inicialmente em Garanhuns, onde sucedeu o Rev. George Henderlite no pastorado da igreja, auxiliando também no seminário e no preparo de lições para a escola dominical. A seguir, sucedeu o missionário Reginald Price Baird na igreja de Fortaleza, que pastoreou de novembro de 1907 a fevereiro de 1911. Escapou milagrosamente de uma perseguição em Afonso Pena, no interior do estado. Em 1909, residiu por alguns meses em Manaus, tendo viajado até Sena Madureira, no Acre, onde fundou a Sociedade União Evangélica. Em 24 de fevereiro de 1911, assumiu o pastorado da histórica Igreja Presbiteriana de Recife, onde permaneceu por 20 anos, até 13 de janeiro de 1931, sendo sucedido brevemente por Jerônimo Gueiros. Por algum tempo, foi secretário do consulado americano em Recife.

Nesse período a vida do Rev. Almeida ficou estreitamente ligada ao Seminário do Norte. Essa escola teológica havia sido criada pelo Rev. Martinho de Oliveira em 1899, em Garanhuns. Em 1903, com a morte do fundador, ficou sob a direção do Rev. George Henderlite e foi reconhecida oficialmente pelo Presbitério de Pernambuco. Devido à falta de professores em Garanhuns, em 1919 o presbitério incumbiu os Revs. Henderlite e Almeida de transferirem a escola para o Recife. No ano seguinte, o Rev. Almeida foi para os Estados Unidos, obtendo o grau de Doutor em Teologia, com especialização em hebraico, no Seminário Teológico Union, em Richmond, na Virgínia. Embora tenha estudado esse idioma bíblico por apenas um ano, tirou o primeiro lugar da classe, destacando-se dos alunos que fizeram o curso em três anos. Também recebeu o grau de Doutor em Divindade do King College, em Bristol, Tennessee.

Com a ausência do Rev. Almeida e a retirada do Rev. Henderlite por motivo de saúde, as aulas do seminário foram interrompidas por dois anos. Retornando ao Brasil em 1921, o Dr. Almeida tomou providências para a reativação do seminário. Criou o Instituto Ebenézer e buscou a cooperação dos congregacionais. Apesar das dificuldades financeiras e da resistência de vários colegas aos seus planos, a instituição aos poucos foi se consolidando na capital pernambucana. Em 1924 ocorreram três fatos importantes: o reconhecimento do seminário pelo Sínodo Setentrional, sua oficialização pela Assembleia Geral da IPB reunida em Recife e a compra da ampla propriedade no bairro da Madalena. Por quase três décadas, o Dr. Almeida foi “a alma” do então Seminário Evangélico do Norte, servindo em tempo integral a partir de 1931. Lecionou hebraico, exegese do Antigo Testamento e hermenêutica, e atuou como capelão. Exerceu o cargo de reitor por dezessete anos (1922-1924, 1926, 1934-1946) e deão por nove anos (1924-1925, 1927-1933), alternando-se nessas funções com o Rev. Jerônimo Gueiros. Seu sustento era fornecido pela Missão Norte do Brasil. Em 3 de fevereiro de 1929, organizou a Igreja Presbiteriana Betânia e, em 11 de fevereiro de 1934, fez parte da comissão organizadora da igreja de Vitória de Santo Antão (PE).

Ao ser jubilado, em 1947, transferiu-se para o Rio de Janeiro, passando a trabalhar com a Sociedade Bíblica do Brasil e a Confederação Evangélica do Brasil. Pastoreou, entre outras, a congregação de Higienópolis, um bairro carioca. Nos últimos dez anos de vida, dedicou-se especialmente à obra do Serviço de Assistência Social Evangélico (Sase), no qual foi chefe da capelania. Também foi secretário do presidente, Isaías de Souza Maciel, e redator chefe da revista “Brasil Sase”. Fundou o Seminário Unido Interdenominacional, fazendo parte da comissão que elaborou os estatutos, o regimento interno e o currículo dessa escola. Lecionou hebraico e exegese bíblica, escreveu o hino oficial do seminário e foi seu reitor até a véspera do seu falecimento.

Em maio de 1966, a convite dos alunos do Seminário do Norte, esteve em Recife para o aniversário do Diretório Acadêmico George Henderlite. Há dezoito anos não visitava a cidade. Durante os quinze dias da estada em Pernambuco, visitou suas antigas igrejas, reviu parentes e amigos e falou à família do SPN sobre “O seminário dos meus dias”. As homenagens que recebeu tiveram seu ponto culminante no aniversário do diretório, no dia 23, com um culto de ação de graças por sua vida em que foram cantados hinos de sua autoria. Seu ex-aluno Rev. Josibias Fialho Marinho falou da contribuição do Rev. Almeida à instituição. A sala que servia como sede do diretório estudantil recebeu o seu nome. Sensibilizado, agradeceu a homenagem aos seminaristas, afirmando que era o melhor presente dos últimos anos e aludindo com satisfação à saudação inicial recebida – uma grande faixa à entrada do seminário com os dizeres “Dr. Almeida, bem-vindo ao seu antigo lar”. Em 1977, foi criado no SPN o Grêmio Teológico Antônio Almeida, que teve como um de seus primeiros presidentes o seminarista Augustus Nicodemus Lopes.

Operado em 1964, o Dr. Almeida foi acometido de moléstia pertinaz nos últimos anos de sua vida, enfrentando-a com serenidade. Faleceu no dia 14 de junho de 1969, com quase 90 anos, no Hospital do Sase, em Realengo, sendo sepultado no cemitério de Ricardo, no Rio de Janeiro. Teve duas filhas com a esposa Maria – Abigail Viana (“Ila”) e Jair Gomes. Foi grande pregador, professor, expositor bíblico e hinólogo. Escreveu lições bíblicas para a escola dominical e colaborou com os periódicos Expositor e Norte Evangélico. Foi autor de várias obras publicadas – Curso de doutrina bíblica, A doutrina bíblica do Espírito Santo, Anotações ao livro de Gênesis, Anotações ao livro de Levítico, O livro de Daniel – além de outras inéditas. Também escreveu Manual de hermenêutica sagrada, publicado em 1957 pela Casa Editora Presbiteriana.

Foi considerado um habilidoso expositor bíblico e doutrinário, destacando-se em sala de aula e no púlpito. Alguns dos mais conhecidos pregadores de Recife gostavam de ir ouvi-lo sempre que podiam. Certa vez o Rev. Artur Souto declarou ao colega Samuel Falcão: “O Dr. Almeida conhece tão profundamente a Bíblia que é capaz de sentar-se à mesa e escrever um comentário sobre qualquer livro da Escritura Sagrada sem precisar consultar quaisquer livros”. O Rev. Falcão, um ex-aluno do Dr. Almeida, opinou que seu conhecimento enciclopédico era semelhante ao do Rev. Erasmo Braga. Destacou-se por seu grande vigor físico até idade avançada, como testemunhou o Prof. Caleb Soares. Certa ocasião, declarou ao amigo: “Estou tão acostumado a pregar que, quando não me convidam, saio a visitar novas congregações e prego”.

Escreveu cerca de 200 hinos entre traduções, adaptações e trabalhos originais. Baseado no Salmo 139, compôs “A minha vida tu, Senhor, conheces”. De livre inspiração: “À porta espero, bom Salvador”; “A Santa Ceia, ó Deus”; “Compadece-te, Senhor”; “Consolador divino”; “De bênçãos preciosas”; “Este santuário, ó Deus”; “Fundada sobre a rocha”; “Alegre Natal”; “Ó Deus de amor”; “Ouço meu Senhor chamar-me”. Teve várias produções incluídas em coletâneas como Hinos e Cânticos e Hinário Evangélico. O hinário Novo Cântico tem três traduções de sua autoria: “O amor de Jesus” (80); “Tua vontade faze, ó Senhor” (218) e “Rude cruz se erigiu” (266). Em 1956, iniciou a publicação parcelada de sua obra hinológica sob o título Hinos do coração.

  • Tua vontade faze, ó Senhor, CD Nossos Hinos Favoritos II, Coral “Cantores Evangélicos” Regência Dorotéa Kerr, 2002

Dr. Alderi Matos

(Do livro “Os Consolidadores da Obra Presbiteriana no Brasil”, 2014)

© Alderi Souza de Matos – Instituto Presbiteriano Mackenzie – Usado com permissão

(1879-1969)

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *