Alyna Muirhead

Biografia

Alyne Guynes Muirhead (1885-1957)

Especial para “Hinologia Cristã”

Alyna Muirhead

Num matrimônio que perdurou durante 52 anos, o casal Harry Harold e Alyne viveu exemplarmente desde o casamento, em 1905, até o fim de ambos, em novembro de 1957.

(Sara) Alyne Guynes (1885-1957) bacharelou-se na Baylor University (Waco, Texas, EUA), onde concluiu cursos de pós-graduação em canto e piano (ver: Baylor University – The alumni directory (1854-1914 – e-book); Foreign Mission Board – Southern Baptist Convention – Missionary Album. Richmond, Virginia, 1913, pp.30 – 36; International Mission Board – Southern Baptist Convention – Missionary Correspondence Files – AR-551-2, p. 75).

Tiveram oito filhos: no Brasil James (1907), Bessie (1909), Elena (1910), Sudie (1915) e Harry (1918); nos EUA mais três dos quais não tenho os nomes.

Em resposta ao pedido à junta de Richmond, feito por Salomão Luiz Ginsburg (1867-1927), o casal Muirhead chegou ao  Recife (PE) em 23 de novembro de 1907.

Em abril de 1908, o Dr. Muirhead (1880-1957) assumiu a direção do Colégio Batista, contribuindo efetivamente para a organização do nascente trabalho dos Batistas do Brasil na área educacional (teológica e profana); foi diretor de 1908 a 1912.

Esta bela fotografia foi batida em 1932 nos foi doada por D. Lígia Câmara. Temos aí o primeiro grande Coral Misto que foi organizadora e regente D. Alina Muirhead e que contou com a cooperação do Maestro Arthur Lakschevitz. Lakschevitz está no centro da segunda fila, a sua direita, Arith Drummond hoje Borges, Lígia Castro, hoje Câmara e a que se tornou depois a grande Missionária Beatriz Silva. À esquerda de Lakschevitz a primeira é Herodias Pinto hoje Cavalcanti. Na segunda fila a contar de cima está Dna. Alina Muirhead que tem à esquerda o então jovem seminarista Rubens Lopes e na ponta Osvaldo Ronis. Na outra ponta, na mesma fila, está Alberico Antunes de Oliveira

Em maio de 1913, Dr. Muirhead foi aos EUA para completar seus estudos em nível superior e angariar dinheiro americano, com o qual faria aquisições de terrenos no Recife.

Em março de 1915, o casal retornou à capital pernambucana, antiga cidade de Maurício de Nassau; morou num solar no qual se hospedava o imperador Pedro II.

Em 1923, Dr. Muirhead defendeu tese de doutoramento no seminário batista de Fort Worth (Texas, EUA) intitulada “O Cristianismo através dos séculos”; a terceira parte tratou dos Evangélicos no Brasil, durante os períodos colonial e imperial. Alyne se dedicava à tradução e musicalização de peças corais; ela traduziu um “Manual das Escolas Dominicais”.

Em Recife, Alyne foi contemporânea de José Calazans (1884-1956) e Antônio Alcântara, com quem realizou concertos corais; Antônio era pai de Livino Alcântara, futuro fundador da Associação Coral Evangélica do Rio de Janeiro (ACE), além de Mazucato e Neoptolemo (ver: Mesquita, Antônio Neves. História dos Batistas do Brasil (1907-1935), 2º volume. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1962).

No ano letivo de 1931, Dr. Muirhead com muito entusiasmo foi convidado para a direção do Colégio Batista do Rio de Janeiro, mas, por motivo de grave enfermidade, em 1938 pediu exoneração desse cargo; veio a falecer em novembro de 1957 e Dona Alina voltou aos EUA.

No Rio de Janeiro Alina tinha organizado o Coro Masculino do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil.

Na Cidade Maravilhosa, Alina conheceu Arthur Lakschevitz, compilador de “Coros Sacros”, coletânea de peças para coro e pequenos conjuntos vocais, editada pela Casa Publicadora Batista, contribuindo para a educação de músicos e congregações batistas. Como registrou Bill Ichter, “talvez a contribuição maior tenha sido a de Alyne Muirhead” (ver: Mein, David. O que Deus tem feito. Rio de Janeiro: JUERP, 1982).

O missionário William Carey Taylor, em suas cartas (1957) escreveu: “É incrível que uma só mulher pudesse fazer tanto”.

Numa informação dada por Dyrajaia Soren, Alina possuía “bela e cultivada voz de soprano”. Em 1932 ela cantou na 11ª. convenção mundial de escolas dominicais (ver: Fernandes Braga, Henriqueta Rosa. Música sacra evangélica no Brasil. Rio de Janeiro: Kosmos, 1961).

Alina elaborou a cantata “Páscoa” e as coletâneas “Antemas celestes”, “A cruz de Cristo”, “Festival de música sacra”, (1934), “Harmonia” (1935), “Louvores evangélicos” (1935), “Pérolas” (1935) e o livro didático “Regência”.

Em 1956, nos EUA, pouco antes de morrer, traduziu o hino “Wonderful Grace”, do hinógrafo norueguês Haldor Lillenas (1918), sob o título de “Maravilhosa graça!” (HCC-193) (ver: Osbeck, Kenneth. More Hymn Stories. Grande Rapids, Minnesota, EUA, Kregel, 1985).

Impressionado pelos relatos a respeito da vida espiritual e intelectual dos Muirheads, meu desejo é que sirvam de inspiração aos obreiros e músicos evangélicos do Brasil.

Brasília, DF, em 07 de fevereiro de 2022.

Roberto Torres Hollanda

Doc.HC-123

(1885-1957)

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Rosangela Thompson Ribeiro disse:

    Somos gratos a Deus pela vida de servos comprometidos com a obra do Senhor: Casal Muirhead.
    Uma linda história de amor e serviço do Rei.
    Hoje somos beneficiados pelo trabalho realizado por esses irmãos!
    A Deus toda a glória!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.