A Rosa Vermelha

HistóriaLetraInformações

A Rosa Vermelha

Letra e Música: Isabel Pacheco, 1979

LP “A Rosa Vermelha” – Isabel Pacheco

Acordar às cinco horas para meditar nas Escrituras, orar, tomar a primeira refeição da manhã, em seguida cultuar ao Senhor com louvores e mais ensino da Palavra. Depois rapidamente ir às salas de aula para examinar detalhadamente as Escrituras, seus significados e histórias, rogando sempre que o Autor Divino revelasse o que queria dizer na Palavra, pois só assim o alimento chega ao espírito e o alimenta.

À tarde, as tarefas domésticas e pessoais e à noite mais estudos para aprofundar o ensino e preparar-me para os exames e provas. Essa era a minha rotina diária entre os anos de 1977 a 1990, quando vivi no Instituto Bíblico Betel Brasileiro, em João Pessoa, na Paraíba.

Difícil pensar que tal modo de viver não afetasse profundamente a vida de quem sinceramente desejasse conhecer a Deus. Num ambiente assim certamente tudo contribuía para que Ele se revelasse. Muitas vezes, fui impactada pela luz trazida pelo Espírito na compreensão das Suas verdades, mas foi especial o dia em que, assisti às aulas de exegese bíblica do evangelho de Mateus. Ao ouvir a professora descrever como, em Roma, os chicotes eram confeccionados em couro e tinham pontas de ferro para que quando fosse usado nas costas do condenado rasgassem as suas carnes, fazendo-lhe sulcos por onde lhe escorria o sangue… A imaginação daquela cena me deixou aterrorizada… Um turbilhão de pensamentos e imagens me veio à cabeça. A professora continuava a descrever: Ele foi esmagado, mas, era puro e sem pecado. Era pelos nossos pecados que estava sofrendo… Mas como a rosa das regiões de Sarom que são brancas e quando são tocadas ficam vermelhas e perfuma, Ele foi manchado para nos purificar.

Não podia conter as lágrimas, o coração apertava e pelo Espírito parecia ouvir a nítida voz de dor de Jesus me dizendo: – Foi por você que suportei isso… Para salvar você… Porque te amo. Inclinei a cabeça sobre a carteira, as lágrimas corriam sem que eu pudesse controlar e pensei: Eu não mereço. Obrigada Jesus, por tamanho sacrifício!

Era a última aula da manhã, todos saíram da sala e eu fiquei ali perplexa, chorando. Comecei a escrever no caderno já aberto: Ele foi esmagado como a rosa de Sarom… Entendi que “pelas Suas feridas fomos sarados”, então Sua vida foi como a rosa vermelha cravada na cruz… Seu sangue rega o jardim das vidas que foram e serão salvas. Mais tarde durante aquele dia peguei o violão, completei a poesia e a música que até hoje ao cantar me comove e enche meu coração de gratidão pela vida de Jesus derramada não só para minha, mas para salvação de todos os homens.

Isabel Pacheco

A Rosa Vermelha

Letra e Música: Isabel Pacheco, 1979

Olhando esse mundo ele viu grande multidão,
Andando sozinha sem nada na mão.
Sua vida foi Rosa Vermelha cravada na cruz.
Quem passou por Ele sentiu compaixão.
A Rosa murchando, sangrando, esvaindo-se em dor,
Perdendo a cor, sem respiração,
Mas o seu perfume se apega a mão que a esmagou
E quem a feriu concedeu perdão.

Agora seu sangue vertendo caindo no chão,
Três dias morrendo, houve solidão.
No terceiro dia o mundo encheu-se de flores,
A Rosa Vermelha de novo brotou.

Coro:
Jesus é o lírio dos vales, Rosa de Sarom,
Até seus espinhos são marcas de amor.
Agora Ele vive a plantar um grande jardim
Se você quiser será uma flor.

A Rosa Vermelha

Letra e Música: Isabel Pacheco

Data da composição: 1979

Título original em Português: A Rosa Vermelha

Primeira linha da primeira estrofe: Olhando este mundo ele viu grande multidão,

Primeira linha do estribilho: Jesus é o lírio dos vales, Rosa de Sarom,

Fonte original: A autora

Álbuns: 

  • LP A Rosa Vermelha, Isabel Pacheco, 1979. Faixa 01 (Lado A)
  • CD Meus Hinos Queridos – Volume 3, Luiz de Carvalho, 1993. Faixa 01

Referências Bíblicas: Mateus 27. 32-56

Áudio: LP A Rosa Vermelha, Isabel Pacheco, 1979. (Faixa 01) (Lado A) – Usado com permissão

Áudio: CD Meus Hinos Queridos – Volume 3, Luiz de Carvalho, 1993.

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. EURÍPEDES FÁTIMO DE OLIVEIRA disse:

    Em meados dos anos 90 essa canção Rosa Vermelha era muito cantada na igreja que eu congregava na época aqui em São Joaquim da Barra SP. Canção muito sugerida pelo então PR. Raimundo Pinto de Oliveira hoje em São José dos Campos. Conhecendo agora a história desse inspirado hino através de sua compositora Isabel Pacheco, entendo o porque éramos tão edificados e abençoados como igreja do Senhor Jesus. Realmente inspirado por Deus!

  2. João Batista disse:

    Estava no Maanaim do Espírito Santo, e após me deitar não conseguia dormir. Havia um grupo fazendo uma vigília, me aproximei e sentei-me. Logo em seguida o grupo começou a cantar esse hino, e o Senhor me visitou profundamente, não conseguia conter as lágrimas. Voltei para o alojamento, e dormi. No dia seguinte entendi que eu precisava daquele momento com o Senhor.

  3. Maria das Graças Marques da Silva disse:

    Nessa época (1979), eu também estava no Betel Brasileiro e vi com Deus usava a missionária Isabel Pacheco através desse hino.

  4. Moema disse:

    Esse hino faz parte de um pedaço de minha vida. Quando conheci a missionaria na igreja em que congregava, Batista do Calvário no Fonseca , Niterói. Ainda hoje ele toca nos corações. Inspirado por Deus.

  5. Andreza Lameira disse:

    Ouvi esse louvor a primeira vez quando tinha 11 anos de idade através de uma jovem cristã que trabalhava na casa de meu pai. Nunca esqueci essa melodia e aos 23 anos confessei a Jesus como Senhor e Salvador da minha vida e fui em busca deste louvor, sem lembrar o nome, somente com a melodia em mente. Esse louvor toca profundamente meu coração e o tenho como louvor da minha vida, pois percebo o cuidado e o agir de Deus já me conduzindo para seus caminhos quando essa jovem cantava para mim. Louvor a Deus por esse amor incondicional por nossas vidas. Aleluias.

  6. Jônatas Costa disse:

    A Rosa Vermelha foi gravado no LP “Além da Morte” (1984), da Mara Lima. É útil acrescentar, pois foi a Mara Lima quem deu notoriedade a esta música, antes do Luiz de Carvalho.

Deixe uma resposta para Moema Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *