A história e desenvolvimento dos hinos – Henriqueta Rosa Fernandes Braga

“NO SENTIDO LATO, denominam-se hinos os poemas cantados que expressam louvores aos deuses e heróis. Particularmente os hinos cristãos são peças versificadas, divididas em estrofes de estrutura idêntica, a princípio cantados alternadamente por dois coros, e de largo uso nas igrejas cristãs orientais e latinas.

Por extensão, o termo também designa, genericamente, todo cântico, salmo e composição similar de uso eclesiástico.

Mateus 2.30 assinala que Cristo depois da Ceia cantou um hino com os seus discípulos antes de se retirarem para o Monte das Oliveiras. Pensam os estudiosos que tenha sido entoado na oportunidade o Salmo 114: “Quando Israel saiu do Egito, e a casa de Jacó do meio de um povo de língua estranha…”

Paulo, em Efésios 5.19, exorta fiéis a cantarem salmos e hinos e cânticos espirituais.

Plínio, no ano 113, escreveu a Trajano que os cristãos tinham costume de se reunirem para cantar hinos em coros alternados.

São estes os mais antigos testemunhos da prática de hinos pelos cristãos. Provavelmente, estes cantares não correspondiam, quanto à estrutura, ao que atualmente se designa por hinos, embora sem dúvida alguma seu conteúdo objetivasse exatamente o que hoje com eles se pretende alcançar: louvar a Deus, glorifica-lo e humildemente confessar os desacertos e implorar a bênção e misericórdias divinas.

Os gnósticos (que pretendiam possuir um conhecimento sublime da natureza e dos atributos divinos) celebrizaram-se pelo uso que faziam dos hinos para difundir suas doutrinas, a ponto de cobri-los de descrédito levando a igreja a subestimá-los, razão pela qual a maior parte dos hinos cristãos dos séculos 1.º e 3.º não foi conservada.

Só na segunda metade do século 4.º, novamente valorizados pela igreja cristã do Oriente, lograram os hinos penetrar na igreja cristã do Ocidente por mão de Santo Ambrósio, cuja vasta influência propiciou sua rápida divulgação.

Este grande vulto da música sacra foi o primeiro a empreender uma forma do cântico eclesiástico, selecionando o que deveria ser realmente cantado no ofício religioso, proibindo o uso das peças profanas que paulatinamente haviam penetrado na igreja, e estabelecendo normas litúrgicas.

Nascido em Treves, França, e dedicado á jurisprudência, exerceu Santo Ambrósio (c. 340-397) em Roma funções de curador de administrações, alcançando o elevado posto de governador ou procônsul do norte da Itália, fixando-se em Milão. Vivendo num período de lutas e dificuldades, quando os bárbaros desciam os Alpes para atacar o Império Romano e a heresia ariana ameaçava a Igreja, precisou usar de toda a sua energia para defender um e outra. Como o bispo de Milão houvesse perfilhado as doutrinas divulgadas por Ário, previram-se, por ocasião de sua morte, sérios distúrbios ao ensejo da eleição do seu sucessor. Para evitar possíveis desordens, dirigiu-se Ambrósio à basílica e usou de sua abalizada palavra para aconselhar calma e ponderação. Respeitável e respeitado, foi poderoso em seus argumentos, sendo aclamado pela multidão, que o escolheu para bispo, apesar de ser ele apenas catecúmeno. Aceitou comovido. Renunciou o cargo que exercia, recebeu o batismo e dedicou o resto da vida às suas novas responsabilidades, desincumbindo-se delas de maneira brilhante e fecunda.

Sofreu perseguições inclusive de Justina, mãe do imperador Valentino e adepta de Ário. Refugiado na basílica, ali foi acompanhado por muitos amigos que se mantinham em vigília para protege-lo, contando-se entre eles Mônica, mãe de Aurélio Agostinho.

Nessas circunstâncias é que Ambrósio, não só para veicular a doutrina evangélica, senão também para manter acordados os que vigiavam, começou a escrever, a musicar e a estimular o cântico de hinos, com isso logrando neutralizar a influência dos cânticos de Ário.

Adotou, para melhor popularizá-los, o ritmo da marcha dos soldados, que corresponde, nos nossos hinários, ao metro LM ou 8.8.8.8., de que são exemplo os seguintes hinos de Salmos e Hinos: “Os povos que na terra estão” (20), “Ó Deus, com infinito amor” (17), “No santo dia do Senhor” (19), “Ó Deus, tu me sondaste aqui” (27).

O número de estrofes para cada hino podia ir até oito; cada estrofe apresentava quatro versos, e cada verso reunia pequeno número de sílabas facilitando a memorização e favorecendo sua popularidade.

Fáceis de cantar, incisivos, os hinos de Santo Ambrósio atingiram plenamente o seu objetivo. Tal como os dele, os que hoje usamos, de grande variedade do ponto de vista da métrica, continuam a veicular as grandes verdades bíblicas dentre as quais a maior é o grande amor de Deus, que por meio de seu bendito filho – Jesus Cristo – oferece salvação eterna ao pecador contrito, redimindo-o das suas culpas.

Henriqueta Rosa Fernandes Braga (In Memorian)

© de Henriqueta Rosa Fernandes Braga (In Memorian) – Usado com permissão dos herdeiros
Bibliografia: Braga, Henriqueta Rosa F., (1909-1983) – Contando e cantando: conhecendo as histórias de hinos cristãos / Henriqueta Rosa F. Braga. – Viçosa, MG: Ultimato, 2017, p. 15-17

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *